Silva driblará o afastamento da pandemia atendendo seus clientes pelo computador

A Feira Virtual da Agricultura Familiar (Fevaf) recebeu, até está quinta-feira, dia 14, adesão de oito empreendedores de Montenegro. Mas novos ainda poderão ser anexados à iniciativa da Emater-Ascar/RS lançada em abril para aproximar consumidores e produtores de alimentos. A plataforma alojada no site da autarquia promove vendas virtuais e televendas nos municípios gaúchos durante este momento de isolamento social.

O coordenador do escritório em Montenegro Everaldo Vinicio da Silva explica que qualquer cidadão pode acessar o endereço http://www.emater.tche.br/site/fevaf, realizar procura por fornecedor, por cidade ou produto e realizar uma compra. Ele vê a Feira Virtual como uma forma do campo chegar ao público consumidor urbano, garantindo melhoria de renda aos pequenos produtores, especialmente neste delicado cenário que soma pandemia e seca.

Todavia, nada impede que varejistas também usem a nova ferramenta, inclusive para ampliar sua oferta aos clientes de produtos coloniais e in natura. O extensionista Rural Social observa que nos dois casos cabe negociação entre agricultor e comprador a respeito da forma de entrega, que pode ser a domicílio ou por retirada na propriedade rural. Não há limite de quantidade para ser adquirido.

Para vender através do site a principal exigência é realmente ser o produtor do alimento oferecido. Isso deve ser comprovado através do Talão do Produtor Rural (idoneidade fiscal). Atravessadores não podem vender por intermédio da Emater. O preenchimento do formulário para fornecedores deve ser feito pelo escritório municipal, que atende pelo telefone (51) 9-9583-9673.

A gerente técnica adjunta da Emater no estado, Luana Machado, informa que o projeto é manter a Feira Virtual após passada esta crise da pandemia. A ferramenta será aprimorada, tornando-se inclusive um APP. As famílias que aderirem agora permanecerão no arquivo da Fevaf, que já conta com mais de 700 cadastros.

Dificuldade passou a significar oportunidade
Na lista de produtores montenegrinos, a família de João Antônio da Silva oferece morangos cultivados sem agrotóxicos. Ele compõe o cenário de jovens empreendedores que surgem no campo brasileiro, e aos 26 anos já soma uma experiência de sete anos à frente das estufas da empresa Morangos JS, instalados na comunidade de Costa da Serra.

E agora é testado tendo pela frente este grande desafio imposto a todos os setores econômicos, precisando buscar uma solução para sua queda de 30% nas vendas devido a pandemia. O canal da Emater surgiu exatamente neste momento. Com pouco mais de uma semana de adesão, Silva ainda não consegue avaliar o retorno, mas se permite fomentar a esperança. “Tenho expectativa de aumentar em 20% as vendas com auxílio da Feira Virtual”, projeta.

Sua expectativa mira ainda o futuro pós este ‘pesadelo’ mundial do Covid-19, definindo que manterá este contato via internet. “Acredito que a venda on line veio pra ficar. Com ela posso fazer com que meu produto tenha um maior alcance de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas”, avalia o jovem.

A Morangos JS vende com por quilo (R$ 18,00/kg) ou em bandejas fechadas (R$ 19,00/kg). A retirada precisa ser feita pelo cliente no local. A qualidade ele garante ao assinalar que a seca, até o momento, não atingiu seus canteiros, que têm irrigação de açude próprio.

Os empreendedores em Montenegro
Empreendimento            Produtos
-Doces Vapor Velho        geleias de bergamota e laranja
-Família Kauer                frutas/citros
-C&I Agroindústria          panificados/biju/biscoitos/salgados
-Morangos JS                 frutas/morangos
-Sítio Paraíso                 vegetais/ morangas e outros
-Granja Koch                 frutas/Maracujá
-Granja Tomasi              ovos coloniais
-Planeta Ecológico          orgânicos/ frutas e hortaliças

Na Fecaf estão os contatos para a compra, detalhes dos produtos e da entrega

Deixe seu comentário