Além da arma, foi localizada grande quantia de dinheiro em posse do sequestrador. Foto:PC

SEQUESTRO. Mulher foi amarrada, arrastada por automóvel e mantida em cárcere privado

Um homem, de 25 anos, que não teve o nome informado pela polícia, foi encontrado e preso em um quarto de motel em Montenegro, na manhã dessa segunda-feira, 24. O sujeito é acusado de ter praticado os crimes violência doméstica, sequestro e cárcere privado, contra sua ex-companheira, de 24 anos. O caso começou em Canoas, cidade onde a vítima passou a morar desde a separação, e teve desfecho no município do Vale do Caí.

Conforme a Polícia Civil de Canoas, os “capítulos” dessa história se tornaram mais tensos na sexta-feira, 21, quando o acusado agrediu Tainá. O casal estava separado desde segunda-feira, 17, quando a vítima sofreu violência física e rompeu o relacionamento. O crime não foi registrado na polícia.

Na sexta-feira, o homem procurou a vítima na casa da mãe dela e, diante da negativa em reatar o relacionamento, puxou a mulher para dentro de um veículo e arrancou o carro com metade do corpo dela para fora. Cerca de uma hora depois ele liberou a vítima, que ficou machucada no pé e no pescoço, pois também foi estrangulada por ele.

No sábado, 22, o agressor monitorou a movimentação da vítima e, quando ela se deslocava em um carro de aplicativo, cortou a frente do veículo e obrigou ela a acompanhá-lo. A partir daí os familiares não tiveram mais contato com a jovem.

Diante das informações, a equipe da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), de Canoas, passou a efetuar diligências, com o objetivo de localizar a vítima. Outros órgãos de segurança foram acionados, tanto na região metropolitana quanto no interior do Estado, pois havia suspeita de que ela poderia estar sendo mantida em cárcere privado na cidade de Barros Cassal.

Por volta das 19h de domingo, 23, a mulher foi liberada pelo sequestrador em um posto de gasolina em Canoas. Em depoimento, ela informou que o indivíduo dirigiu sem rumo, passando pelas cidades de Nova Santa Rita e Montenegro, onde decidiu se esconder em um motel, no qual passaram a noite. A vítima conseguiu convencê-lo a liberá-la, mediante promessas de que reatariam a relação.

A Deam de Canoas, assim como a PRF e BM monitoraram o paradeiro do agressor durante toda a madrugada, verificando endereços onde poderia ser localizado. Por volta das 6h dessa segunda, surgiu a informação de que o homem estaria em um motel em Montenegro. Realizadas diligências no estabelecimento, o indivíduo foi localizado. Com ele havia uma arma de fogo em seu poder, além expressiva quantia em dinheiro. O acusado foi ao sistema prisional.

Ação conjunta das polícias é destacada
Segundo a Delegada Clarissa Demartini, titular da Deam de Canoas, a ação desenvolvida nos dias que seguiram ao sequestro refletem o trabalho de excelência desenvolvido pela Polícia Civil. “Nossa maior preocupação era encontrar a vítima com vida, por isso enviamos todos os esforços, juntamente com outras instituições de segurança, para que localizássemos o cativeiro. A liberação da vítima trouxe fôlego para seguirmos na localização do agressor, que já estava com a prisão preventiva decretada”.

O Diretor da 2ª Delegacia de Polícia Metropolitana, delegado Regional Mario Souza, afirma que “a segurança da mulher era a prioridade na condução dos trabalhos de investigação, e com a parceria que se estabeleceu com a Brigada Militar e a Polícia Rodoviária Federal foi possível deixar em alerta o estado todo a fim de localizar a vítima e agressor”.

Live abordou a importância das denúncias

Na última quinta-feira, 20, uma live promovida pelo Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim) de Montenegro, tratou sobre o tema violência doméstica. Coordenado pela presidente do Comdim, Carliane Pinheiro, a Kaká, o debate contou com a participação da delegada responsável pela Deam Vale do Caí, Cleusa Spinato, pela juíza da 2ª Vara Criminal Deise Fabiana Lange Vicente e pela promotora da 3ª Promotoria de Justiça de Montenegro Daniela Tobaldini.

Entre os tópicos tratados no encontro virtual, esteve a importância das denúncias e dos canais de comunicação existentes para que sejam realizadas. “O acesso das vítimas de violência doméstica, basicamente, ainda é pelos números 180 e 190, mas nós também um número de WhatsApp do Ministério Público, é o 51 9 9660 9894. Ele não é para atendimento de emergência, é para esclarecimento de dúvidas”, destaca a juíza.

O evento é alusivo ao Agosto Lilás, mês voltado às discussões sobre as várias formas de violência contra mulheres. “É um momento emblemático para a gente relembrar a importância do enfrentamento à violência contra a mulher. Os números da violência contra mulher vêm crescendo, e não se pode dizer que isso está vinculado exclusivamente a pandemia”, avalia a delegada Cleusa. A íntegra da live pode ser vista no Facebook.

Deixe seu comentário