Caso ocorreu na rua Catarina de Andrade, número 351, no bairro São Pedro, Grande Timbaúva

Eli Camargo da Silva, 41 anos, acusada da morte do companheiro Charles Artur dos Santos Machado, 42, com uma facada no pescoço, foi posta em liberdade nesta sexta-feira graças a um habeas corpus. O crime ocorreu no dia 12 de outubro, na casa onde o casal vivia, localizada na rua Catarina de Andrade, bairro São Pedro, na Grande Timbaúva. Desde então, ela estava presa na Penitenciária Modulada de Montenegro. A decisão é do desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ/RS), Luiz Mello Guimarães.

Advogado Gustavo Oliveira

Para continuar livre até o julgamento, Eli precisa se apresentar mensalmente ao juiz da Comarca de Montenegro e informar sempre o endereço onde estiver morando. Hoje mesmo, ela foi para Estrela, onde ficará na casa de familiares.

O advogado criminalista Gustavo Oliveira, responsável pelo pedido de habeas corpus, argumenta que há ausência dos requisitos indispensáveis para a manutenção da privação de liberdade. “Não havia elementos que pudessem concluir que fosse ela a autora do crime. O desembargador entendeu que a simples gravidade do fato do qual ela estava sendo acusada não era suficiente para mantê-la presa”, afirma. Ele também lembra que Eli é réu primária e possui bons antecedentes.

Gustavo também lembrou que a cliente não confessou ser a autora do crime. Na época, alegou ter sido expulsa de casa por Charles Artur. Segundo a versão, o companheiro teria dito que viveria com outra mulher. A reportagem do Jornal Ibiá tentou entrar em contato com a acusada, mas o advogado disse que ela não falaria sobre o caso no momento.

O filho da vítima, Anderson Tiago Meuer Machado, 23 anos, recebeu a notícia com inconformidade. Diz não acreditar mais na possibilidade de ser feita Justiça. “A gente sente a incapacidade da Justiça. Ela cometeu uma barbaridade desse crime e está solta”, comenta, indignado.

Deixe seu comentário