Diante do desenvolvimento de vacina contra o novo coronavírus e possibilidade de que doses cheguem ao Brasil ainda no primeiro trimestre de 2021, questionamos cada um dos cinco candidatos a prefeito sobre a logística de vacinação da população, caso sejam eleitos. Confira as respostas:

De que forma, se eleito for, pretende viabilizar o acesso, a distribuição e a aplicação da vacina contra a Covid-19, que deve ser disponibilizada no próximo ano?

Gustavo Zanatta- “A vacina ao novo coronavírus é um desejo de 100% da população. Eu e o Cristiano estaremos atentos para oferecer este benefício à comunidade tão logo seja possível. O Ministério da Saúde já anunciou que as doses vão custar 21 dólares (cerca de R$ 120,00) por pessoa e serão bancadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Caberá aos municípios a distribuição e a aplicação, a partir dos protocolos do governo Federal.

A Secretaria da Saúde possui equipes capazes de organizar este trabalho, que deve contemplar, primeiramente, pessoas com mais de 80 anos, trabalhadores da saúde e pacientes com doenças pré-existentes. O nosso maior desafio será a conservação. Dependendo do tipo e do fabricante, as vacinas devem ser acondicionadas a temperaturas de até 20 graus negativos. Nossa primeira tarefa é descobrir se temos unidades suficientes e, em caso negativo, o que precisa ser comprado. Faremos isso na modalidade emergencial, para garantir o início da operação imediatamente após a liberação das vacinas”.

Gustavo Zanatta

 

Ricardo Kraemer- “Com pés no chão, rever as medidas de enfrentamento à Covid-19 já adotadas nas áreas da saúde e da economia. Podemos fazer mais e melhor. Na saúde, o professor Ricardo prefeito, e especialmente a vice Liliane Melo conhece os protocolos, tem conhecimento e experiência em saúde e está apta a tratar desta luta contra a Covid-19. Irá comandar diretamente as ações, articulando com o Conselho Municipal de Saúde, entidades de saúde, agentes de saúde, profissionais, associações, sindicatos.

Se o governo Federal, através do SUS não encaminhar as vacinas, o município irá comprar, negociando diretamente com laboratórios. Saúde é prioridade em nossa gestão. Sabemos de nosso protagonismo, por isso essas ações serão feitas com os demais municípios da região.

E a vacinação? Antes, uma campanha de conscientização. A vacinação, de forma planejada, com critérios, iniciando com grupos de risco, professores e profissionais da saúde. Ampla e descentralizada rede de vacinação irá alcançar a todos, na cidade e interior”.

Ricardo Kraemer

 

Kadu Müller- “Vamos seguir pensando nas pessoas, priorizando o bem-estar e o acesso à Saúde, por exemplo. Como em toda nossa gestão, com planejamento e responsabilidade, vamos garantir o acesso à vacina, quando efetivada, respeitando os protocolos nacionais. Contudo, o Programa Nacional de Imunização é de gerência do Ministério da Saúde, sendo ele o definidor de critérios para a população alvo que receberá a vacina para Covid-19, assim que a mesma estiver liberada dentro dos padrões solicitados pela ANVISA. Este protocolo é seguido para todo o calendário nacional de vacinação e deve ser adotado por todos os municípios conforme a legislação. O prefeito não possui autonomia na alteração dos protocolos de vacinação do Ministério da Saúde, no entanto, em nossa gestão serão organizadas formas para facilitar o acesso à vacina para toda a população de forma rápida e segura, de acordo com a padronização de grupos estabelecidos pelo Ministério da Saúde”.

Kadu Müller

 

Percival Oliveira– “O coronavírus alterou todas as previsões para 2020, obrigando os gestores a serem ágeis e criativos. Nem todos conseguiram realizar ações que equilibrassem os cuidados com a saúde e o zelo pela economia, prejudicando, principalmente, os pequenos comerciantes. Estamos tomando todos os cuidados estabelecidos pelos protocolos durante a campanha. Porém, assim como toda a população mundial, aguardamos ansiosamente o anúncio de uma vacina que seja eficaz contra a Covid-19. Ao assumir a Prefeitura, teremos um diagnóstico completo sobre a situação do caixa. Em seguida, buscaremos caminhos para adquirir as vacinas, já que o orçamento do ano que vem não prevê esse recurso. Assim como fiz nos 8 anos em que estive na Prefeitura, seguirei dando atenção total à saúde dos montenegrinos. Aliás, o administrador público que não prioriza a saúde da população comete crime de responsabilidade.
Com o auxílio dos profissionais competentes que estarão conosco na Secretaria da Saúde, vamos estabelecer uma agenda para contemplar todos os montenegrinos com a vacina contra o coronavírus. Assim, começando pelos grupos mais vulneráveis, teremos uma estratégia para que todos sejam imunizados.”

Percival Oliveira

 

Márcio Menezes- “No Congresso Nacional tramitam diversas matérias que visam antecipar a operacionalização de distribuição da vacina contra a Covid-19, com o objetivo de garantir a imunização da população brasileira, assim que for aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  Estamos acompanhando os debates destas matérias, com o apoio do gabinete do deputado Lucas Redecker. Entre outras medidas, consideramos fundamental que a campanha nacional de vacinação contra a Covid-19 seja gratuita, priorizando a vacinação de profissionais de saúde e idosos na 1ª etapa, que espera-se que aconteça a partir do primeiro semestre de 2021.

Sendo eleito no próximo domingo, faremos o enfrentamento à pandemia, observando o poder delegado pelo governo federal e estadual aos municípios, com a meta de colocar a vacina a disposição de toda a população de Montenegro. Não mediremos esforços para diminuir o impacto da Covid-19 na economia, na educação, nas empresas e na sociedade em geral”.

Márcio Menezes

Deixe seu comentário