FOTO: GUSTAVO MANSUR/ PALÁCIO PIRATINI

A seção rio-grandense da Coordenadoria Nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho do Ministério Público do Trabalho (MPT) expediu uma recomendação para que as empresas do Estado organizem listagens com dados para viabilizar e agilizar o pré-cadastro de trabalhadores com comorbidades agravantes da Covid-19. Segundo o órgão, a medida busca garantir o acesso com antecedência a informações que poderão ajudar a dimensionar o grupo populacional a ser vacinado e a estimativa mais precisa dos insumos, recursos humanos e espaços físicos necessários.

A recomendação orienta pelo estabelecimento de um fluxo de informações sobre os trabalhadores pertencentes aos grupos prioritários. “Entre essas categorias, constam pacientes com cardiopatias congênitas, pneumopatias crônicas graves, Hipertensão Arterial Resistente (HAR) e doenças renais crônicas, entre outros”, traz o material. Empresas já podem relacionar números de CPF e do Cartão Nacional do SUS, bem como documentos comprobatórios da comorbidade em questão para ter o cadastro pronto. O MPT também orienta pela realização de campanhas internas para conscientizar colaboradores sobre a vacinação.

Não há, porém, nada oficial quanto à aplicação. De acordo com o setor de Imunizações da secretaria municipal de Saúde de Montenegro, ainda não veio nenhuma orientação por parte do Ministério da Saúde ou do Estado quanto ao recebimento dessas informações das empresas; visto que não há data para a vacinação deste grupo, que é considerado de risco para complicações mais graves da Covid-19. O apontamento do MPT dá conta de uma organização para agilizar o processo quando ele foi iniciado.

Deixe seu comentário