Imagem: reprodução

A Região Covid 08 a qual Montenegro, Pareci Novo, Brochier e Maratá – entre outras cidades do Vale do Caí – estão inseridas retornou esta semana para a bandeira vermelha do programa de Distanciamento Controlado do governo do Estado. Na semana em que completa nove meses, o modelo de Distanciamento Controlado, lançado no dia 10 de maio de 2020, indica que a maioria das regiões está com alto risco para esgotamento da capacidade hospitalar e velocidade de propagação do vírus no mapa preliminar da 40ª rodada.

Divulgada nesta sexta-feira, 5, a classificação prévia traz 13 regiões em bandeira vermelha – duas a mais do que na rodada anterior. As outras oito regiões receberam bandeira laranja. A vigência das novas bandeiras será de 9 a 15 de fevereiro.

Caso a classificação prévia seja mantida, as 12 regiões em bandeira vermelha que aderiram ao sistema de cogestão regional podem adotar os protocolos próprios compatíveis até o nível de restrição da bandeira laranja.

As seis regiões classificadas em laranja e participantes do sistema de cogestão podem utilizar protocolos de bandeira amarela, se estiverem previstos e atualizados nos seus planos regionais.

Entre os indicadores monitorados pelo sistema de enfrentamento à pandemia, chamam a atenção a redução no número de pacientes confirmados com coronavírus em leitos clínicos (-7%) e um leve aumento nos leitos de UTI (+3%). Contabilizando o pequeno aumento do total de leitos e também dos confirmados com Covid-19 em UTI, verifica-se estabilidade no número total de leitos de UTI ocupados em todo o Rio Grande do Sul.

Houve também redução nos registros de novas hospitalizações (-19%), de casos ativos (-17%) e de óbitos por Covid-19 (-15%). Embora os dados indiquem estabilização e a vacinação será ampliada com a expectativa de envio de novas doses ao Rio Grande do Sul neste final de semana, as cores do mapa preliminar alertam para a gravidade da situação no Estado.

Os indicadores da macrorregião Metropolitana se mantiveram quase estáveis, tendo como mudanças mais significativas o aumento de 7% no número de internados por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em UTI (de 478 para 510 casos) e 6% no número de internados em leitos de UTI Covid (de 409 para 435). Ambos indicadores foram registrados até 4 de fevereiro.

Com a piora na avaliação destes dois indicadores, houve elevação da contribuição da macrorregião sobre as regiões Covid. Além disso, a macrorregião Metropolitana passou a apresentar 0,8 leito livre para cada ocupado por Covid-19, o que acarreta a aplicação da salvaguarda de bandeira vermelha para as regiões que apresentam o indicador de incidência de hospitalizações avaliado em bandeira vermelha ou preta. Este foi o caso das regiões de Taquara, Novo Hamburgo e Canoas, que, apesar de apresentarem médias ponderadas abaixo de 1,5, passaram a ser avaliadas com bandeira final na cor vermelha.

RESUMO DA 40ª RODADA

Regiões que apresentaram piora (5)
LARANJA > VERMELHA
Canoas (em cogestão)
Cruz Alta (em cogestão)
Ijuí (em cogestão)
Novo Hamburgo (em cogestão)
Taquara (em cogestão)

Regiões que continuaram iguais (4)
LARANJA
Bagé (em cogestão)
Caxias do Sul (em cogestão)
Guaíba
Pelotas (em cogestão)

VERMELHA (8)
Capão da Canoa (em cogestão)
Palmeira das Missões (em cogestão)
Passo Fundo (em cogestão)
Porto Alegre (em cogestão)
Santa Cruz do Sul (em cogestão)
Santa Maria
Santa Rosa (em cogestão)
Santo Ângelo (em cogestão)

Regiões que apresentaram melhora (4)
VERMELHA > LARANJA
Cachoeira do Sul (em cogestão)
Erechim (em cogestão)
Lajeado (em cogestão)
Uruguaiana

Deixe seu comentário