Às vezes, parece coincidência! Ao lembrarmos, porém, de passagens de vida, percebemos como um sinal de Deus. Atentos sempre ao cotidiano, necessitamos pensar sobre sinais que surgem em forma de ideias, de outras maneiras, ou, simplesmente, em forma de flor. Como assim?

Ia se submeter a um procedimento que poderia levá-lo a uma cirurgia delicada. Naquela semana, orou muito. Sim, porque quando nos sentimos inseguros ou amedrontados, recorremos sempre a Ele. Mesmo quando nos consideramos ateus, por sermos, por vezes, extremamente materialistas. Então, apelou a Deus, pedindo que ficasse com ele, naqueles momentos de aflição. Lá pelo terceiro dia de prece, observou, em sua casa, um botão do lírio da paz que havia surgido, justamente naquele momento. Coincidência? Uma das flores que a sua mâe, enquanto aqui na Terra, mais apreciava! Foi quando, à janela, vislumbrou a roseira. Também com botões a desabrochar! Botões que em outras ocasiões não perceberia. Tomou para si como respostas de Deus às preces.

Pequenos sinais que provocam na nossa alma a sensação de paz interior, de alegria infinita e de bem-estar. As flores surgiram inesperadamente! Ainda não era época de floração. Mas ali estavam, trazendo a ele, a certeza de que a proteção divina encontrava-se nele. Havia orado. Confiante, submeteu-se ao procedimento.

Eram sinais de Deus? Talvez, mas mesmo não o sendo, abriram o olhar do irmão à resposta de nosso Pai. Deus está em tudo o que existe! Basta sabermos sentir! A existência de Deus está, semeada com o amor, em nosso espírito. Há quem acorde num lindo dia de céu azul, de sol que ofusca a visão com seu brilho, gramados verdinhos e flores coloridas e não O perceba. Em tudo, Ele está!

No Evangelho segundo o Espiritismo encontramos um capítulo que diz: Pedi e obtereis: “Seja o que for que peçais na prece, crede que o obtereis e concedido vos será o que pedirdes.” (São Marcos, cap.XI, v. 24). No entanto, lembremos sempre de antes de pedir, nos fazermos merecedores do Amor de Deus, substituindo o ódio por amor, a mágoa pelo perdão, o desespero pela esperança e o medo pela fé. Isso não acontece repentinamente, pois precisamos vivenciar os bons sentimentos, esforçando-nos e sendo persistentes nos ensinamentos de Jesus. Aos poucos, a evolução espiritual e moral acontecem.

E junto à evolução, nos sentiremos muito mais felizes. Teremos um olhar atento ao que nos rodeia e sentiremos a presença de nosso Pai! Para isso, lembremos da orientação de Jesus ao dizer: “Conhece-te a ti mesmo!” É o caminho para a nossa reforma íntima!

Deixe seu comentário