“A vida se vai em louca disparada!” Ao ouvirmos pela primeira vez, a juventude não nos permitiu compreender. Hoje, percebemos a disparada com que a vida se foi. No entanto, ainda estamos nela! Que dádiva!

Quem somos senão frutos dos momentos vividos? Ora felizes, angustiantes; ora amenos. Mesmo sem a percepção, nos modificam e transformam. Pequenos acontecimentos, verdadeiras lições de vida. Aí está a razão maior de realizarmos uma autoanálise para avaliarmos nosso dia a dia, assim como, com humildade, reconhecermos onde erramos e o melhor caminho para nos redimirmos. É isso que Jesus, nosso Mestre e Guia, veio nos dizer através do Seu exemplo.

Entre tantos fatos vividos, existe este: uma criança brincava na frente de casa. Havia tido uma festa, uma quermesse antiga. Um carro surgiu e lhe mostrou um bolo delicioso, com glacê branquinho feito neve. Correu ao pai e lhe pediu o valor necessário. Feliz, entregou o dinheiro e recebeu um bolo simples de fubá. O brilho dos olhos desapareceu e, pela primeira vez, deparou-se com a decepção. No entanto, trouxe pra si um grande ensinamento. Aquele que nos proporciona paz e felicidade interior: ser autêntica sempre, ter o coração aberto para emanar amor e seguir sem vacilar a vida terrena.

Os anos passaram e essa lição de vida nunca esqueceu. O fato ficou gravado na memória, porém livre de qualquer sentimento de revolta. Vem-lhe à mente como um aprendizado. A impressão que até então lhe passara a senhora era de bondade. Constatou, neste dia, que todos nós, assim como ela,somos frágeis diante da matéria e estamos sujeitos ao erro. No entanto, é o erro que nos conduz ao acerto. O segredo é a nossa perseverança, na busca de encontrarmos a paz interior, não desviando do caminho do bem, aquele tão vivenciado por Jesus.

Somente nós somos capazes de nos conhecermos. É aí que entra a humildade de nos analisarmos e sabermos a razão pela qual agimos desta ou daquela forma. E de falhas que temos nos conscientizamos e, muitas vezes, nos vemos sem forças para nos modificarmos. O que nos resta? Conversar com Deus! “Ele, então, enviará o seu Filho bem-amado, para vos instruir e dizer estas boas palavras: Eis-me aqui, venho até vós, porque me chamastes. (Evangelho segundo o Espiritismo – Cap. VI, item 7 – O Espírito de Verdade – Bordéus, 1861).

Na memória, a cena daquela bondosa senhora, nossa irmã! Na lembrança, o sorriso dela! No fato, o aprendizado eterno! Parece que foi ontem! E a vida se vai em louca disparada!

Deixe seu comentário