Queridos irmãos e irmãs, a liturgia deste Domingo nos relata duas multiplicações de pães. Uma no segundo livro de Reis (4, 42-44) quando um homem apresenta a Eliseu vinte pães de cevada e trigo novo. Eliseu manda dar ao povo, mas, como eram cem pessoas, o pão não seria suficiente. Então a promessa do Senhor se cumpriu: “Comerão e ainda sobrará”. Todos se alimentaram e ainda sobrou. Outra multiplicação aparece no evangelho de João (6, 1-15), onde a história é bastante parecida: Jesus estava pregando em Tiberíades e uma multidão o seguia vendo “os sinais que operava em favor dos doentes”. Jesus questiona Filipe sobre o meio de alimentar a multidão, e este não encontra solução. André, então, disse: “Está aqui um menino com cinco pães e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?” Eram aproximadamente cinco mil homens. A resposta à pergunta de André é óbvia: é impossível alimentar tanta gente com tão pouco. Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu. Todos comeram e ainda sobrou. Jesus realiza um sinal que será como que uma catequese, para compreender a realidade futura da Eucaristia.

Vendo este grande sinal que Jesus tinha realizado, estes homens que se fartaram de pão, exclamaram: “Este é verdadeiramente o Profeta, aquele que deve vir ao mundo”. Mas por que disseram isso? Será que aceitaram sua palavra, sua pregação? Ou porque viram os milagres? Aqui está uma realidade presente no cristianismo desde os tempos de Jesus e que podemos ver também hoje. Muitos procuram a Deus para receber algo, para tirar uma vantagem, para ter um benefício em tempos difíceis. Assim, Deus pode ser comparado a um supermercado, onde compra-se a graça pelo pagamento de uma promessa. É uma relação de mercado, de compra e venda. Por isso, quando Jesus percebeu que aquele povo queria proclamá-lo rei, apenas retirou-se, e foi sozinho para o monte. O povo queria proclamá-lo rei aos moldes humanos, um rei capaz de solucionar os problemas que os reis daquele tempo não conseguiam, ou seja, encher a barriga com pão e encher os olhos com as curas. Jesus nos quer dar muito mais! Cabe recordar quantas vezes Jesus fala do seu Reino, que não é deste mundo.

O poeta e humorista romano Juvenal, em sua “sátira X” (+ ou – 100 d.C.) tornou conhecida a expressão “Pão e circo”, para se referir à forma do governo de Roma, o modo como mantinham a ordem e “conquistavam o povo”. Para que o povo não reclame, basta promover pão e circo, ou seja, barriga cheia e diversão. Talvez o povo que seguia Jesus desejava por isso: uma “salvação” dos problemas temporais. Jesus, quando percebeu que queriam “fazer dele um rei” retirou-se, pois não tinham compreendido que já havia nascido rei (Mt 2, 2) e que o Pão que haveria de dar, não saciaria somente a fome física, mas a fome de eternidade. Jesus não quis somente dar um pão, mas Ele mesmo se fez pão, para dar de si mesmo. Assim, todo aquele que se alimenta do Pão da Vida terá a Vida. Jesus não queria que as curas fossem espetáculos, mas sinais de que Ele pode nos curar de nossos males mais profundos. Jesus é rei, mas não um rei político. Mas esta realidade era grande demais para ser compreendida naquele momento. Jesus não quer pão e circo, mas quer vida plena e abundante.
Pe. João Vítor Freitas dos Santos

PROGRAMAÇÃO
23.07.2021 – Sexta-feira
18h30 – Missa na Catedral *
24.07.2021 – Sábado
15h30 – Missa na Com. Espírito Santo
17h – Missa na Catedral*
17h30 – Missa na Com. Nª Sra. Aparecida
19h – Missa na Com. Santos Reis
25.07.2021 – Domingo
7h- Missa na Catedral
8h30 – Missa na Com. São José do Maratá
8h30 – Missa na Com. Santo Alberto Magno
9h – Missa na Catedral**
10h – Missa na Com. Nª Sra. do Perpetuo Socorro
18h – Missa na Catedral
26.07.2021 – Segunda-feira
20h – Missa Festiva na Com. Nª Sra. das Graças **
27.07.2021 – Terça-feira
18h30 – Missa na Catedral com benção da saúde*
28.07.2021 – Quarta-feira
18h30 – Missa na Catedral *
20h – Grupo de Oração na Catedral
29.07.2021 – Quinta-feira
18h30 – Missa na Catedral*
* com transmissão ao vivo via Facebook da paróquia;
** transmissão pela rádio América Am 1270 e YouTube – Catedral São João Batista – Montenegro/RS.

LEMBRETES:
As missas são presenciais com capacidade reduzida (60% da capacidade da Igreja);
Manter o distanciamento na igreja;
Estar durante a missa com máscara;
Higienizar as mãos na entrada com álcool gel.

Deixe seu comentário