Estimados irmãos e irmãs, neste Domingo celebramos a solenidade dos Apóstolos São Pedro e São Paulo, colunas da Igreja. Ambos foram martirizados em Roma por volta no ano 67. O Papa é sucessor tanto de Pedro, que foi o primeiro bispo da diocese de Roma, como também de Paulo. Por isso, esta solenidade, ao celebrar os Apóstolos, recorda o ministério petrino e paulino exercido hoje por Sua Santidade Francisco. Mas, o que estes santos tem a ensinar à Igreja e no que eles nos ajudam a entender o ministério do Papa? Vejamos um breve perfil de cada apóstolo:

Pedro era um rude pescador e, junto ao seu irmão André, está entre os primeiros escolhidos de Jesus. Foi testemunha ocular de toda a vida pública, paixão, morte e ressurreição do Senhor. Tinha um temperamento forte e corajoso, mas também demonstrou medo e inconstância várias vezes. Após a ressurreição, exercendo o ministério confiado a ele por Jesus como a pedra sobre a qual estava edificada Sua Igreja, demonstrou apreço ao cultivo de tradições judaicas dentro do cristianismo, o que dificultava a adesão dos pagãos à fé. Mas era reconhecida e respeitada sua autoridade entre os cristãos.
Paulo era um fariseu fanático, um judeu culto e com cidadania romana, o que permitia a ele contato com diversas culturas. Era perseguidor dos cristãos e assistiu ao martírio de Estevão. Sua conversão se deu a caminho de Damasco, quando o Senhor perguntou-lhepor que o perseguia. Paulo dá-se conta de sua cegueira e só volta a ver a luz no dia do seu batismo. Mesmo com uma inicial resistência da comunidade à sua pessoa, por todo o mal feito, foi ganhando confiança e apreçodoscristãos. Paulo tinha a visão de que o cristianismo tinha de superar algumas tradições judaicaspara que a fé chagasse aos pagãos.

Pedro e Paulo muitas vezes discordaram, mas tiveram coragem de trilhar o caminho da conciliação, como nos é narrado nos Atos dos Apóstolos o “concílio de Jerusalém”. A exemplo deste, a Igreja já celebrou 21 Concílios Ecumênicos ao longo de sua história, justamente para debater ideias contrárias e encontrar o caminho da unidade pela fé. E aqui está o sentido do ministério do Papa, o de ser sinal visível da unidade, da comunhão na fé e na caridade da Igreja, ao mesmo tempo que tenta comunicar esta mesma fé imutável em cada tempo e realidade. Este é o ministério petrino e paulino exercido hoje por Francisco: o de guardar a tradição recebida, àsemelhança de Pedro; e comunicar a fé na cultura hodierna, à semelhança de Paulo. Rezemos pelo Papa nesta difícil e fundamental missão na Igreja.
Pe. João Vítor Freitas dos Santos

PROGRAMAÇÃO
2.07.2021 – Sexta-feira
18h30 – Missa na Catedral *
3.07.2021 – Sábado
15h30 – Missa na Com. Nª Sra. do Rosário
17h – Missa na Catedral*
17h30 – Missa na Com. Nª Sra. dos Navegantes
19h – Missa na Com. Santo Antônio
19h – Missa na Com. Imaculado Coração de Maria
4.07.2021 – Domingo
7h- Missa na Catedral
8h30 – Missa na Com. Bom Pastor
9h – Missa na Catedral**
10h – Missa Festiva na Com. Nª Sra. das Graças
18h – Missa na Catedral
5.07.2021 – Segunda-feira
20h – Terço interativo na Com. Nª Sra. das Graças **
6.07.2021 – Terça-feira
18h30 – Missa na Catedral com benção da saúde*
7.07.2021 – Quarta-feira
18h30 – Missa na Catedral *
20h – Grupo de Oração na Catedral
8.07.2021 – Quinta-feira
18h30 – Missa na Catedral*

* com transmissão ao vivo via Facebook da paróquia;
** transmissão pela rádio América Am 1270 e YouTube– Catedral São João Batista – Montenegro/RS.
LEMBRETES:
As missas são presenciais com capacidade reduzida (60% da capacidade da Igreja).
Manter o distanciamento na igreja;
Estar durante a missa com máscara;
Higienizar as mãos na entrada com álcool gel.

Deixe seu comentário