Queridos irmãos e irmãs, a liturgia deste Domingo nos relata dois milagres, relacionados à alimentação. O primeiro, no livro do Êxodo (16, 2-4. 12-15), quando o povo, sentindo saudade da escravidão no Egito, lembra dos pães e das panelas de carne, murmurava contra Moisés e Aarão no deserto. Chegaram a dizer que preferiam a morte, do que passar pelo deserto e alcançar a libertação. Como é difícil libertar-se! Muitas vezes as pessoas estão vivendo situações de verdadeira escravidão e humilhação, mas não conseguem enfrentar o problema. Enfrentar o problema exige sair da zona de conforto e até mesmo passar algumas dificuldades.Deus está com o seu povo e envia o alimento: “Isto é o pão que o Senhor vos deu como alimento”. No evangelho de João (6, 24-35), continuação do que ouvimos no último Domingo, aparece novamente uma multidão com fome de pão. Jesus já tinha feito o milagre da multiplicação dos pães e eles o seguiam porque ficaram saciados e queriam mais.

O desejo de Deus é que tenhamos sempre alimento, por isso realiza os milagres concedendo pão/alimento aos que têm fome. O milagre da providência dos alimentos acontece todos os dias. No mundo se produz alimento necessário para todos. Mas, por que há fome? Porque não há partilha, distribuição, solidariedade. Países mais desenvolvidos desperdiçam, enquanto os pobres necessitam. O Papa Francisco,nesta última segunda feira,dia 26, discursando na pré-cúpula sobre sistemas alimentares da ONU em Roma, afirmou: “Produzimos comida suficiente para todas as pessoas, mas muitas ficam sem o pão de cada dia. Isso ‘constitui um verdadeiro escândalo’, um crime que viola direitos humanos básicos. Portanto, é um dever de todos extirpar esta injustiça através de ações concretas e boas práticas, e através de políticas locais e internacionais ousadas”. É necessária ousadia para superar o problema, sair da zona de conforto, sair da escravidão do egoísmo e individualismo, lutar contra nosso desperdício.

Do mesmo modo, é verdade que o desejo de Deus, tendo nos alimentado fisicamente, é nos alimentar para a vida eterna. Quando saciamos nossa fome física, que é uma necessidade básica, o ser humano percebe que existe um outro tipo de fome dentro de si, uma fome de Palavra de Deus, de eternidade. Por isso Jesus se faz alimento, se faz pão: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”. Sobre isso o Papa Francisco nos explica “o verdadeiro significado da nossa existência terrena está na eternidade, e que a história humana com os seus sofrimentos e as suas alegrias deve ser vista num horizonte de eternidade, isto é, naquele horizonte do encontro definitivo com Ele. E esse encontro ilumina todos os dias da nossa vida” (Angelus, 3 de agosto de 2015). Nossa vida corporal e finita é iluminada pela eternidade. Por isso, não sejamos materialistas, pensando que só o pão material nos basta, e muito menos espiritualistas, pensando apenas na eternidade e esquecendo os irmãos e irmãs que passam fome. Só saciaremos nossa fome de eternidade quando nós partirmos nosso pão.
Pe. João Vítor Freitas dos Santos

PROGRAMAÇÃO
30.07.2021 – Sexta-feira
18h30 – Missa na Catedral *
19h – Terço na Com. Nª Sra. do Perpetuo Socorro
31.07.2021 – Sábado
15h30 – Missa na Com. Nª Sra. do Rosário
17h – Missa na Catedral*
17h30 – Missa na Com. Nª Sra. dos Navegantes
19h – Missa na Com. Santo Antônio
19h – Missa na Com. Imaculado Coração de Maria
1.08.2021 – Domingo
7h- Missa na Catedral
8h30 – Missa na Com. Bom Pastor
9h – Missa na Catedral**
10h – Missa na Com. Nª Sra. das Graças
18h – Missa na Catedral
2.08.2021 – Segunda-feira
20h – Terço Interativo na Com. Nª Sra. das Graças **
3.08.2021 – Terça-feira
18h30 – Missa na Catedral com benção da saúde*
4.08.2021 – Quarta-feira
18h30 – Missa na Catedral *
19h30 – Grupo de Oração na Catedral com pregação de Vera Casagrande
5.08.2021 – Quinta-feira
18h30 – Missa na Catedral*
18h30 – Terço na Com. Nª Sra. do Rosário
* com transmissão ao vivo via Facebook da paróquia;
** transmissão pela rádio América Am 1270 e YouTube – Catedral São João Batista – Montenegro/RS.

LEMBRETES:
As missas são presenciais com capacidade reduzida (60% da capacidade da Igreja).
Manter o distanciamento na igreja;
Estar durante a missa com máscara;
Higienizar as mãos na entrada com álcool gel.

Deixe seu comentário