A festa do batismo do Senhor revela, ao mesmo tempo, quem é Jesus e o que Ele fez, quem são os seus seguidores e o que são chamados a realizar na sociedade. Não basta termos recebido o batismo. Não são suficientes belas celebrações. O que se requer é um compromisso com a justiça que cria novas relações na comunidade e fora dela. A celebração Eucarística – serviço por excelência de Jesus em vista do mundo novo – nos ajude a sermos filhos amados do Pai, responsáveis pela continuidade do seu projeto de liberdade e vida para todos.
Santo Ambrosio de Milão dizia que o batismo é um desígnio de Deus e que neste desígnio só há graça. O batismo, portanto, é a vontade divina de nos fazer participar plenamente felizes, santos. Não por nosso merecimento, mas porque o Senhor, na sua infinita misericórdia, permite que mergulhemos no mistério profundo do amor. Simbolicamente, ser batizado(a) é a entrada na Terra Prometida. Olhando pelo retrovisor da história da salvação, somos o “resto” do povo salvo pelas “águas do dilúvio”. Somos o povo que passou a pé enxuto pelo mar Vermelho. Atravessamos também as águas do Rio Jordão. Ali, tomamos posse da Terra da Promessa. Isto é, entramos na Igreja.
O batismo de conversão, realizado por João no Jordão, recorda justamente a libertação do povo. O pecado é o peso da opressão que o povo carrega. Jesus une-se ao rito de conversão porque é solidário à humanidade sofredora. O céu aberto revela a intimidade de Jesus com o Pai. O Senhor rasga o céu para instaurar o Reino. O Espírito que desce é a força amorosa e transformadora. Essa força renova o mundo. É um sopro sereno, não um vendaval. A pomba, por sua vez, evoca a ideia da ave mensageira, surgida após a devastação do dilúvio. Ela é a comunicação do divino com o humano. Ali o plano original de Deus é restabelecido. A voz do céu é Deus se derramando de amor. Essa mesma voz ecoará no grande grito, naquele dia, no alto da cruz. Verdadeiramente, Jesus é Filho de Deus. Nele está todo o bem-querer, a alegria, a realização do Pai. Em Jesus acontece aquilo que agrada a Deus.
O mesmo Espírito que desceu sobre Jesus desce sobre nós batizados. Nossa missão é viver e fazer o que ele fez. Jesus só fez o bem. Por meio dele, o céu está aberto para nós. Viva e reaviva a graça do seu Batismo.
Pe Luciano Royer – Pároco

Missa 08/01/2021
19h30 – Comunidade Menino Jesus de Praga (Trilhos)
Missa 09/01/2021
16h30 – Comunidade Nossa Senhora Aparecida (Assentamento)
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
Missa 10/01/2021
8h30 – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
10h – Comunidade Santo Antonio (Aeroclube)
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)

Deixe seu comentário