Um povo de profetas se reúne para celebrar a fé no Deus vivo e libertador. A Eucaristia é um espaço privilegiado para aprendermos quem é Jesus. É ele quem nos abre os olhos para vermos que, no meio de nós e ao nosso redor, há uma multidão de gente despersonalizada e oprimida pelos espíritos maus que alienam nosso povo.
Na Eucaristia, ouvimos a Palavra de Deus, que nos ensina por meio do seu Filho. Seu ensinamento é uma prática libertadora que decreta a destruição de tudo o que não condiz com seu projeto de vida e liberdade. É a essa prática que hoje queremos nos doar plenamente “ocupando-nos com as coisas do Senhor”.
Agindo com o Espírito Divino, Jesus ensina tocando as pessoas nas situações concretas da vida.  O ensinamento dos escribas apresentava regras e teorias sobre um Deus que separava as pessoas em puras e impuras, em agraciadas e malditas, em boas e más. Jesus, ao invés, ensina agindo. Ele não faz teologia, não explica teorias sobre Deus. É agindo em favor das pessoas, e não ensinando teorias, que Jesus mostra quem é Deus.
No episódio deste Evangelho deste domingo, a ironia do Evangelho é mostrar que, simbolicamente, o espírito imundo que Jesus expulsa daquele homem representa a própria lógica e esquema mantidos pelos escribas. Uma lógica que exclui as pessoas, que não lhes permite serem livres, se encontrarem com um Deus de amor e perdão infinitos. A estrutura mantida pelos escribas deseja ter o controle da ação de Deus (Jesus). Não é de estranhar, portanto, que esse espírito impuro esteja dentro da própria sinagoga em dia de sábado, em espaço sagrado em dia sagrado.
Mas é Jesus quem tem a autoridade de Deus. E o temem todos os poderes do mal, também os poderes disfarçados de ensinamento religioso. Nesse sentido, basta pensar no fanatismo atualmente alimentado em tanta gente de fé, explorada em suas misérias e mantida refém de seus medos. Ou mesmo discursos de ódio, disseminados por gente que se diz cristã e usa o Mestre Servo Sofredor para defender a violência, a divisão e a exclusão dos menores.
O ensinamento diferente de Jesus nos garante que ele tem poder de agir sobre todas as forças do mal. Seguir hoje este Mestre de Cafarnaum, “o Santo de Deus”, é deixar-se tocar por sua ação. Pois é sua ação que continua a nos ensinar como é fundamental expulsar de nós e de nossas comunidades todo espírito de divisão e exclusão.
Pe. Luciano Royer

Missa Sábado 30/01/2021
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
Missas Domingo 31/01/2021
8h30 – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
10h – Comunidade Menino Jesus de Praga (Trilhos)
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
01/02/2021 – 19h30 – ENSAIO DE CANTOS | CICLO DA PÁSCOA
02/02/2021 – MISSA EM HONRA A NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES
19h Missa – Igreja frente da Tanac
Quarta-feira 03/02/2021 – MISSA COM BENÇÃO DE SÃO BRÁS
19h – Com. São Pedro e São Paulo (Matriz)

Deixe seu comentário