As leituras desta celebração têm duas tônicas complementares: conversão e consolação. Deus está empenhado em nos conduzir para um mundo novo ou realidade nova. Tal constatação nos consola e nos enche de esperança, porque significa que não ficaremos para sempre sofrendo as consequências do egoísmo e a solução para o problema do mal, que um dia terá fim. No entanto, o mundo novo que nos é oferecido por Deus somente poderá acontecer quando o ser humano fizer uma reforma íntima. Isso exige que estejamos sempre inseridos numa dinâmica de conversão, de transformação do homem velho em nova criatura; que nos empenhemos em pôr em prática a vontade de Deus e caminhemos na fidelidade.
A liturgia deste domingo nos oferece um texto que enfatiza a identidade de João Batista como mensageiro de Deus e iniciador do caminho de Jesus. Portanto, quem quiser celebrar bem o nascimento de Jesus deve passar por João Batista, entendendo o objetivo de sua vinda antes do Cristo. A figura de João no deserto insere-se no advento do Evangelho e do cristianismo, à semelhança da passagem do povo pelo deserto durante 40 anos, a qual antecipou o nascimento de Israel como povo consagrado a Deus. O deserto é lugar de provação intensa ou tentação, mas também evoca o caminho do retorno, conforme as palavras de Is 40,3. Por isso, o Evangelho deste dia apresenta João não apenas batizando, mas também proclamando um batismo de arrependimento e de conversão. O verbo “proclamar” indica que o batismo realizado por João não é mero ritual, mas evento de salvação que Ele veio proclamar. Por isso, também, João não batiza em qualquer lugar, mas no rio Jordão, entrada para Israel, à semelhança dos hebreus quando foram libertados da escravidão do Egito e, atravessando o deserto, entraram na Terra Prometida através do mesmo rio.
Marcos relata que o batismo de João era com água e tinha como objetivo a conversão. Com a chegada do mais forte, ou seja, do mais apto, o batismo será com o Espírito Santo e com fogo. Esse que virá o Cristo é que irá realizar a obra de Deus para a qual João está preparando as pessoas. João Batista está seguro de que a vinda do Cristo trará consigo o fim dos tempos. João nos convida a acolher o Cristo libertador, que nos dá o Espírito Santo para gerar vida nova ao nos introduzir na dinâmica do mundo novo que está por vir, na dinâmica do amor.
É tempo de conversão, deixemos de lado o comodismo, a indiferença, o egoísmo e autossuficiência e aceitemos, outra vez, deixar-nos guiar por Deus. Não estamos nos preparando apenas para o Natal, em 25 de dezembro. Estamos nos preparando para a Segunda vinda de Jesus e para o mundo novo que Ele trará consigo.
Pe. Luciano Royer
Horário das Missas na Matriz: Sábado 19h | Domingo 8h30min e 19h | Quarta-Feira 19h
Missas Sexta-feira 04/12/2020
16h – Adoração ao Santíssimo – Comunidade São Pedro e São Paulo
17h – Missa – Comunidade São Pedro e São Paulo
Missas Sábado 05/12/2020
9h – Batizados (somente para aqueles agendados)
16h – Comunidade Três Santos Mártires – Passo da Amora
17h – Assembleia com as lideranças de todas as comunidades – (Local: Comunidade São Pedro e São Paulo)
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
Missas Domingo 06/12/2020
8h30min – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
10h – Comunidade Nossa Senhora da Glória – Germano Henke
15h – Ordenação Diaconal do Seminarista Jorge Reckziegel – Estrela
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
Quarta-feira 09/12/2020
19h – Com. São Pedro e São Paulo (Matriz)

Deixe seu comentário