O advento marca nova etapa na caminhada de nossas comunidades. Este é um tempo de espera da manifestação plena do Filho de Deus, até que cheguemos à comunhão definitiva com Jesus Cristo. Enquanto caminhamos rumo a essa vocação comum, vamos colaborando na construção de um mundo novo e liberto, pois Deus, que é nosso Pai e Redentor, quebra continuamente seu silêncio e se manifesta a nós em nossa caminhada. Ele está sempre chegando, e a atitude fundamental de quem o espera é a vigilância ativa que nos torna corresponsáveis por sua “casa” que é o mundo.
Nenhuma de nossas comunidades pode-se considerar o modelo histórico de perfeição. Por isso, o advento é tempo de construir e de caminhar, na solidariedade e na partilha. Jesus vem continuamente e de muitos modos. Só a vigilância ativa será capaz de descobri-lo nas novas situações em que se apresenta. Em primeiro lugar, constata-se a impossibilidade de se conhecer a hora, pois o fim de tudo não é algo pré-datado nem detectável mediante cálculos: “Cuidado! Fiquem atentos, porque vocês não sabem quando chegará o momento. Em segundo lugar, vem a comparação. Ela fala de um homem que, ao partir para o estrangeiro, deixou a casa sob a responsabilidade dos empregados, distribuindo a cada um a sua tarefa; e mandou porteiro ficar vigiando. Jesus se compara a alguém que viajou e pode chegar a qualquer hora. Antes de viajar, confiou ao porteiro e aos empregados a administração da casa. Quais são os bens que Jesus confiou a cada um de nós? Certamente a tarefa de continuar o que ele iniciou, baseada no serviço e que liberta as pessoas e a sociedade inteira das estruturas alienantes geradoras de morte.
A comparação dá ênfase ao papel do porteiro, personagem que lembra logo as lideranças das comunidades. A função do porteiro é igual a dos empregados: vigiar. Porém, ele não deve fazer tudo sozinho: simplesmente coordena as tarefas e estimula a cada um dos empregados a exercê-la com responsabilidade. Para Jesus, todos são responsáveis pela “casa” que é o mundo, cada qual com sua função específica.
O que significa, então, vigiar? Em primeiro lugar, não é atitude passiva de espera, mas ação concreta de quem se sente responsável, junto com as outras pessoas, pela “casa” de Deus que é o mundo. Em outras palavras, vigiar é testemunhar a ação e a presença de Deus no meio das pessoas. Isso porque, diante do projeto de Deus, que é liberdade e vida para todos, os seguidores de Jesus podem se acomodar: quer “tirando o corpo fora” diante dos compromissos e acomodar-se com o presente, quer desanimando quando a vitória sobre a injustiça e a morte parece impossível. Durante a noite inteira, que é o hoje da nossa história, somos convidados a não dormir: “Se ele vier de repente, não deve encontrá-los dormindo”. Dormir não é só ignorar a volta do patrão, mas sobretudo relaxar no compromisso com o projeto de Deus. O que digo a vocês, digo a todos: fiquem vigiando. Advento é tempo de despertar.
Pe. Luciano Royer

Horário das Missas na Matriz: Sábado 19h | Domingo 8h30min e 19h | Quarta-Feira 19h
Missas Sexta-feira 27/11/2020
19h – Comunidade Nossa Senhora Aparecida – Muda Boi
Missas Sábado 28/11/2020
16h30min – Comunidade Nossa Senhora Aparecida – Assentamento
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
Missas Domingo 29/11/2020
08h30 e também às 19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
10h – Comunidade Menino Jesus de Praga (Trilhos)
Quarta-feira 02/12/2020
19h – Com. São Pedro e São Paulo (Matriz)

Deixe seu comentário