Os santos são pessoas que souberam fazer de sua vida participação da vida e do amor de Jesus Cristo, difundindo em torno de si o calor do amor dele e o esplendor de sua vida. A igreja, com esta solenidade celebra a memória de tantos, conhecidos e anônimos, e fizeram de suas vidas um hino de amor a Deus e ao próximo. Trata-se de uma multidão que cresce no tempo, contribuindo para a construção do Reino de Deus e sua justiça.
Falar de santidade no mundo de hoje pode soar estranho e inadequado. Mas o que ela é? O evangelho da Solenidade de todos os Santos e Santas nos apresenta um caminho perene de santidade: as bem-aventuranças. Elas são o programa assumido pelo próprio Mestre. Não raro as bem-aventuranças foram vistas como um convite à passividade e uma forma de acomodar os pobres e os sofredores. Longe disso, elas convidam as pessoas a superar as próprias limitações e deficiências, como o mostram claramente as ações e os gestos de Jesus. As bem-aventuranças são uma constatação de uma sociedade injusta, violenta e consumista.
Felizes (Santos) são os pobres, aqueles que põem sua confiança em Deus e não se deixam manipular pelas ideologias adversas ao projeto de Jesus. Não se deixam levar pela propaganda mercadológica do consumismo. Rejeitam as idolatrias que substituem os valores do Evangelho. Santa é a vida, e Santos são todos os que procuram valorizá-la, defendê-la e potencializá-las. São felizes (Santos) todos aqueles que tem fome e sede de justiça, os que são perseguidos por causa do empenho em favor da justiça para os injustiçados. Muitos mártires continuam morrer em defesa da vida e dos empobrecidos e explorados.
A motivação primeira para a busca e a vivência da santidade é o próprio Deus, porque ele é o Santo por excelência. Fomos criados à sua imagem e semelhança. A santidade de Deus convida todos os seres humanos a serem santos. Ao nos criar, ele colocou em nosso coração o desejo de Santidade. Portanto, esta não é ideia ultrapassada, própria de séculos remotos, mas é dom presente no coração de cada pessoa. A santidade consiste em revelar o divino existentes em cada pessoa humana.
Felizes são as comunidades cristãs moldadas pelo espírito das bem-aventuranças. Uma comunidade tem sua credibilidade quando procura traçar seu rumo segundo as os caminhos propostos pelo Mestre. Assim terá condições de mostrar o rosto de Jesus às pessoas do mundo de hoje.
No dia 2, celebramos a comemoração de todos os fiéis defuntos, a Igreja convida a rezar pelos nossos falecidos, na firme esperança de que desfrutem da vida eterna, contemplando a face de Deus. Este dia nos lembra a fragilidade de nossa existência, que necessita de amor e cuidados. Em comunhão com aqueles que já partiram e a quem amamos, celebremos o Senhor, nossa luz e salvação. Descansem na paz e no amor de Deus!

Pe. Luciano Royer
Missas Sábado 31/10/2020
19h – Com. São Pedro e São Paulo (Matriz)
Missas Domingo 01/11/2020
8h30 – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
10h – Comunidade Nossa Senhora da Glória (Germano Henke)
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
Miss Segunda-feira 02/11/2020 – FINADOS
9h30 – Cemitério do Muda Boi
19h – Comunidade São Pedro e São Paulo (Matriz)
Missa Quarta-feira 04/11/2020
19h – Com. São Pedro e São Paulo (Matriz)

Deixe seu comentário