A saída da enfermeira Cristina Reinheimer da secretaria de Saúde de Montenegro não foi uma surpresa no ambiente político. Quando Zanatta montou sua equipe, uma das primeiras escolhas foi a nutricionista Silvana Schons, funcionária de carreira do município. Portanto, naquele momento Cristina Reinheimer não tinha a preferência do grupo que assumiria o comando do município.

Surpresa foi o recuo da preferida para ocupar a pasta da Saúde. Diante do fato e sem identificar alguém com o perfil de Silvana, com credenciais de que podia tocar a máquina da saúde em tempos de pandemia, sem prejuízos a continuidade do trabalho, prevaleceu o bom senso com a manutenção da secretária do seu principal adversário nas urnas.

Entre críticas e aplausos, a medida foi positiva e essencial no pior momento do enfrentamento a Covid. Internamente, Cristina, a par de toda a sua experiência e competência, era uma estranha no ninho. Situação demarcada por ela, quando durante a campanha ergueu a bandeira Kadu e saiu a visitar famílias, em meio à pandemia, pedindo votos. Postura diferente do secretário Fila, também remanescente da administração Kadu.

Quem avalia os bastidores da política, sabia do desconforto e que, mais cedo ou mais tarde, ou a secretária Cristina sairia ou a própria administração Zanata a substituiria. Passado o pior momento do enfrentamento à Covid 19, o próximo movimento no tabuleiro estava sendo estudado para definir o substituto.

Aí aparecem duas versões: por um acidente vazou e a outra é de que teria sido exposto propositalmente para que a própria Cristina se antecipasse e pedisse demissão. Na verdade, isso é o que menos importa. O relevante para a população é a manutenção dos serviços da saúde, sem nenhum tipo de prejuízo com a mudança de comando.

Zanatta e Braatz se elegeram com proposta e compromissos de avançar no atendimento às demandas da saúde. E o primeiro ano de governo comprovou que vontade política não falta para seguir neste caminho, podemos citar como exemplo: a ampliação imediata no horário de atendimento da UBS Centro, instalação do Ambulatório Pós Covid e o Programa Fim da Espera, todos em pleno funcionamento.

O mérito de Cristina esteve atrelado a sua capacidade e a vontade política dos gestores eleitos. Quem assumir a pasta da Saúde tem o desafio de dar um passo à frente, manter os serviços que funcionam bem e focar na prevenção, uma área muito pouco trabalhada desde antes do surgimento da Covid.


Streb é o favorito
Até ontem estava prevista a posse do advogado Rodrigo Streb no comando da secretaria da Saúde, para esta terça às 8h, no Gabinete do prefeito, junto com o retorno de Zanatta.

Se for confirmado, o advogado, de formação técnica na área de radiologia, segue uma linha de coerência da primeira escolha. Streb não é funcionário de carreira, mas desde o início deste governo trabalha na saúde, muito próximo de todos os principais processos da pasta.

Streb exercia o cargo de Assessor Especial 1, curiosamente com uma remuneração maior de quem exerce o cargo de secretário. Uma situação que sempre pesa em uma decisão. O advogado é tido, por pessoas que o conhecem, como uma pessoa dinâmica, conhecedora já do serviço público e com capacidade de gestão.


Anota aí
Caso confirme a intenção do Comandante da Guarda Municipal de reavaliar a presença contínua na Praça dos Ferroviários, certamente em breve o assunto voltará a permear as reclamações nas redes sociais e nas pautas do Ibiá. Moradores já perceberam mudanças significativas: volta de som alto, balbúrdias e imundícies na praça. Na percepção deles já existe um relaxamento na presença da Guarda Municipal.

Foto: arquivo Jornal Ibiá

Odores do lixo
Há muitos anos, a expressão “máfia do lixo” foi cunhada pela grande mídia. E todas as consequências destas entranhas de um dos negócios muito lucrativos que envolvem o serviço público, chegaram até às cidades de médio e pequeno porte.

A Ecosul abandonou a coleta, apenas 40 dias após ter firmado um contrato de prestação de serviço por mais 90 dias. Curiosamente, na chamada emergencial feita pela Prefeitura poucos dias depois do abandono, a empresa que ofereceu o menor preço tem em seu quadro societário um mesmo empresário da Ecosul, que, dias antes, abandonou a coleta. Este fato gerou a desclassificação da mesma, sendo contratada a Junges, segundo menor preço.


Odores do lixo II
Sai o resultado da contratação emergencial (jan 2022) e aparece um áudio de uma reunião na Prefeitura entre representantes da Ecosul e administração Zanatta, realizada em 18 de novembro de 2021, dias antes da mesma empresa assumir por mais 90 dias o serviço.

A reunião também foi gravada por integrantes do governo Zanatta. Não fosse isto, talvez as ilações trazidas no áudio trariam desconforto e dificuldades para o governo nas suas explicações. Agora cabe ao prefeito encaminhar imediatamente toda a documentação e gravação da dita reunião ao Ministério Público e à Câmara, para que estes avaliem a licitude do processo.

A pergunta que fica: empresário se retira após 40 dias de serviço mal feito e quer participar de novo da concorrência da coleta do lixo em Montenegro com preço ainda menor? Freud explica?


Curtas
• Será que agora sai a farmácia Solidária, proposta defendida pelo então vereador Cristiano Braatz?
• O presidente da Câmara, Talis Ferreira, pré candidato a deputado estadual, abrindo suas asas para o Vale do Caí.
• Vereadora Ana Paula Machado, PTB, recarregando baterias no litoral catarinense.
• Valdeci Castro, Republicanos, mantém rotina de acompanhar a execução de consertos de esgotos, calçadas e iluminação pública pelas ruas da cidade.

Compartilhar

Deixe seu comentário