Foto: reprodução internet

Após uns dias de férias, que prefiro chamar de veraneio, pois a rotina continua a mesma. Organizar a casa, fazer compras em supermercado, carregar cadeiras, guarda-sol e sacola para praia. A vantagem é ser promovido a chef de cozinha com direito a inventar coisas boas e novidades todos os dias, se é que isso é vantagem em período de férias.
E a função de passar protetor solar então?
– Já passou protetor? Espalhou bem? Pegou boné, camiseta, toalha, dinheiro para o picolé e milho verde?
Viram? Férias também cansa.
Quando todos os netos e netas estão juntos, além da algazarra, risos, discussões são constantes. Ainda bem que se dão bem, com raras exceções, tipo a briga para tirar dos games, respeitar o tempo limitado de uso da internet, tipo de atividade que está aderida aos jovens.
Como são cinco meninos, a dúvida diária era ao recolher as roupas do varal: de quem é essa cueca? E essa? E essa? Com as meninas foi tranquilo, fácil de identificar.
A comida era outro episódio de seriado diário:
– Faz batatinha vó?
– Eu quero peixe ou eu não quero peixe.
– Faz pastel? (isso significa umas sessenta unidades.
Bolos? perdi a conta quantos foram feitos. O recorde de um dia foram quatro bolos entre doces e salgados. Na outra manhã a mesma pergunta:
– Não tem mais bolo?
Os meninos grandinhos entravam na disputa também. Porém, existe prazer maior do que o cansaço de fazer o bem? Os filhos e netos são pequenos uma só vez, a oportunidade é passageira. O que fica na memória é que vale.
O retorno é contrastante, entra-se de supetão em um verdadeiro inferno de calor. Noites quentes e sem vento, dias lamuriosos, a pele vertendo suor como se aderida a um plástico. Ai! Que saudades da praia de sentir aquela brisa para dormir, da função rotineira de lá. As noites são verdadeiro martírio de calor aqui em “Black Montain”.
Agora tudo volta à rotina, pais e filhos com seus compromissos de escola, trabalho e horários à cumprir, importante momento para criar novos hábitos e organizar mente e corpo.

Deixe seu comentário