Nesse final de ano, estou me sentindo meio vidente, ando recebendo revelações misteriosas. Então vou usar este espaço para descrever você, que me lê. Isso irá auxiliá-lo nas suas reflexões e resoluções de ano novo:
Você tem uma necessidade de ser querido e admirado por outros e, mesmo assim, você faz críticas a si mesmo. Você possui certas fraquezas de personalidade mas, no geral, consegue compensá-las. Você tem uma capacidade não utilizada que ainda não tomou em seu favor. Disciplinado e com autocontrole, você tende a se preocupar e ser inseguro por dentro. Às vezes, tem dúvidas se tomou a decisão certa ou se fez a coisa certa. Você prefere certas mudanças e variedade e fica insatisfeito com restrições e limitações. Você tem orgulho por ser um pensador independente e não aceita as opiniões dos outros sem uma comprovação satisfatória. Mas você descobriu que é melhor não ser tão franco ao falar de si para os outros. Você é extrovertido e sociável, mas há momentos em que você é introvertido e reservado. Por fim, algumas de suas aspirações tendem a fugir da realidade.
Então? O quanto acertei? Em uma escala de 0 a 5, que nota você daria para minha descrição sobre sua personalidade? Posso já montar a barraca de vidente na praça?
Se eu fizer isso, serei apenas mais um charlatão, pois o texto sobre você foi copiado de uma experiência feita em 1948. O psicólogo Bertram R. Forer distribuiu entre seus alunos um teste de personalidade, alegando que cada um receberia uma análise única e individual baseada nas suas respostas. Após receberem seus resultados, eles deveriam avaliar a precisão da análise em uma escala de 0 (muito ruim) a 5 (muito boa).
A média das notas recebidas pelas análises “individuais” foi 4,26, apesar de todos terem recebido o mesmo texto sobre sua personalidade, aquele ali de cima, sobre você.
Desde então, ficou conhecido como Efeito Forer, também chamado de falácia de validação pessoal ou efeito Barnum. Este foi um showman e empresário do ramo do entretenimento norte-americano, ele dizia que “temos de tudo para todos” e atribuem erroneamente a Barnum a frase “Nasce um trouxa por minuto”.
O Efeito Forer é uma falácia muito comum usada por adivinhos e místicos. Quem nunca foi parado por uma cigana para ler a sorte? Esta falácia é aplicada nos horóscopos e outras artes divinatórias.
As pessoas tendem a julgar exageradamente corretas avaliações de suas personalidades, problemas e aspirações que, supostamente, são feitas exclusivamente para elas, mas que são apenas afirmações vagas e genéricas o suficiente para se aplicarem a uma grande quantidade de pessoas.
A necessidade de conhecer seu futuro e pedir ajuda a forças externas nas decisões pessoais é uma angústia antiga, pois o mundo é caótico e o futuro incerto. Sinto muito, vai continuar assim, mas muitas vezes tudo o que precisamos é de conforto, mesmo que ele venha de uma ilusão.

Deixe seu comentário