Mudou o mês, mas segue a campanha para que as inibições sejam deixadas de lado e a prevenção torne-se uma prática de todos pela manutenção da saúde. O Outubro Rosa 2018 terminou, colocando fim a uma série de atividades promovidas pelos mais diversos grupos. Todos unidos pela saúde da mulher, contra o câncer de mama e de colo do útero.
Agora tem início uma campanha que, tradicionalmente, costuma ser mais tímida. É o Novembro Azul, de incentivo à prevenção do câncer de próstata. Mais tímidos também são os homens que, ao contrário delas, não costumam aceitar facilmente a prática rotineira de exames preventivos.
A regra, para grande parte dos homens, é esperar que a doença se manifeste com incômodos sintomas para que, então, se procure auxílio. Neste caso, algumas vezes, já é tarde. Pode tornar-se fatal ou exigir um tratamento muito mais difícil e comprometedor ao organismo.
No caso do câncer de próstata, especificamente, o tema é ainda mais controverso porque a doença e um de seus principais exames para diagnóstico – o de toque retal – são cercados de polêmicas e preconceitos. Até parece que, nos poucos segundos em que o homem é examinado, ele perde a sua virilidade. Piadas sobre o assunto não faltam. Assim como, sobram esposas e filhos chorando a perda de seus maridos e pais que, de tão viris e sem querer comprometer a masculinidade, entregaram-se a uma doença tão mortal quanto curável, desde que descoberta em tempo de receber tratamento. Por isso, senhores homens, saibam que a vergonha, neste caso, não é boa companheira.

Deixe seu comentário