Diariamente ouvimos ou lemos expressões como “Cidade das Artes sem artes”. Elas são repetidas à exaustão por inúmeros cidadãos que valorizam as produções de outros lugares mas, muitas vezes, deixam de prestigiar eventos daqui. Mesmo que alguém possa questionar onde estão as artes da nossa cidade, é possível olhar para os lados e ver uma diversidade de iniciativas pelas ruas, escolas, teatros e espaços públicos. Montenegro – e a região – respiram cultura nesses dias. E tem atividades para todos os gostos e bolsos.
Mesmo com a chuva que insiste em se fazer presente no Vale do Caí, a Feira do livro de Montenegro tem debates, apresentações artísticas, rodas de conversa e, claro, muitas sugestões de leitura para todas as idades. Pelas escolas, o escritor Jessé Andarilho conversa com os estudantes sobre literatura e conta seu processo criativo dentro dos ônibus, usando apenas um aparelho celular. Quem gosta de uma atividade mais tranquila acompanhará o Chá das Cinco, em benefício ao Abrigo Menino Jesus de Praga.
Em Maratá, a partir de hoje à noite, a Oktoberfest mostra o melhor da tradição alemã com dança, culinária, competições e muito chope. Além de tudo isso, já adiantamos o Encontro de estudantes de violão do Projeto Fundarte Cultural, semana que vem, e a 7ª Citrusflor de Pareci Novo, em novembro, com atrações para todos. Esses são apenas alguns dos eventos que acontecem pela região nos próximos dias.
Com tamanha – e tão eclética – programação, não tem como dizer que a região carece de artes ou cultura. É só notar os artistas locais que tocam em barzinhos ou aqueles que levam suas produções para a praça. É valorizar eventos grandes ou pequenos, que promovem a diversidade cultural da nossa população. E ela é enorme. Basta olharmos com mais carinho para cada iniciativa. A cidade não carece de artes mas, sim, de público disposto a abrir a mente para valorizar todo tipo de iniciativa e prestigiar eventos que vão além da cultura comercial.

Deixe seu comentário