Dizem as “más línguas” que os brasileiros deixam tudo para a última hora. Afinal, o nosso “jeitinho” se responsabiliza por nos salvar em momentos mais difíceis e resolver os problemas que não surgiriam se fizéssemos as coisas com planejamento.
Um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que 52% dos brasileiros admitem deixar atividades necessárias para a última hora. Entre os principais motivos para esse comportamento, são apontados a falta de tempo, o medo do fracasso e o exemplo negativo dos pais.
Apesar de muitas vezes romantizado, esse comportamento é extremamente maléfico. Isso vale tanto para compromissos profissionais quanto pessoais e, principalmente, econômicos. Um exemplo são as pessoas que deixam a declaração do Imposto de Renda para a última hora e, ao não conseguir fazê-la, acabam pagando multa; ou aquelas que não organizam seus gastos para realizar o sonho da casa própria e se endividam com prestações enormes.
Grandes prejuízos são ocasionados pela falta de planejamento, sobretudo no campo financeiro. Por isso, a iniciativa de incluir esse conteúdo já no Ensino Fundamental é tão benéfica: ensinar as crianças a lidar com o dinheiro e a planejar seus gastos e ganhos é importante para que, futuramente, elas saibam a melhor forma de organizar os próprios rendimentos e, assim, não façam parte dos 63,4 milhões de brasileiros com dívidas em atraso, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).
Essas crianças, que muitas vezes replicam o conhecimento em casa, podem contribuir para a reorganização financeira das famílias. Para isso, é importante que os professores tenham uma boa base para repassar o conhecimento aos estudantes e, assim, termos gerações de pessoas comprometidas com a forma como gastam o que ganham.

Deixe seu comentário