Um dos principais problemas vividos pelas administrações municipais é o transporte público. Preço dos combustíveis, entrada das empresas de aplicativo no mercado, usuários insatisfeitos, comunidades sem rotas de ônibus, horários insuficientes. Não faltam reclamações a respeito do transporte rodoviário. E isso não apenas em Montenegro, mas em praticamente todas as médias e grandes cidades.

A população montenegrina que trabalha em outras cidades reclama que não há ônibus em horários o bastante para que o trabalhador vá a Porto Alegre, Canoas ou São Leopoldo diariamente. Até mesmo entre as linhas urbanas, as recentes reduções de horários deixa trabalhadores sem ter como ir ao trabalho. No interior, então, há comunidades completamente desassistidas. Por outro lado, a Viação Montenegro – que na última licitação foi a única empresa que se interessou – alega que, não apenas é inviável colocar mais linhas como é necessário reduzir ainda mais a oferta para equilibrar as contas.

Qualquer pessoa minimamente informada sabe que as empresas de transporte já viveram tempos de maior tranquilidade financeira. Se antes elas lucravam – e muito – levando trabalhadores em veículos lotados e sem conforto, mas que ali seguiam porque não tinham alternativa, hoje essas mesmas empresas viram grande parte da população utilizar carro próprio ou aplicativos de transporte ou carona. Agora, para eles, a conta também não fecha.

Foi para auxiliar na busca por soluções que o Ibiá promoveu, na última quarta-feira, uma conversa a respeito do tema no Estúdio Ibiá, ao meio-dia. Lamentamos que a Vimsa não tenha enviado um representante para bate-papo tão relevante. Sabemos que encontrar solução para esse imbróglio é difícil, mas a administração municipal terá de tornar esse tema uma prioridade. Ir de um bairro a outro tornou-se difícil. À Capital, quase impossível. Ir para a universidade então, somente se for de transporte privado. E, caso alguns tenham esquecido, a população tem o direito ao transporte público de qualidade. Algo precisa ser feito.

Deixe seu comentário