A hashtag acima ficou muito conhecida entre os jovens e “bombou” na internet. Se a trouxermos para o mundo real poderia ser #InspiraRespiraeNãoAgride ou, #InspiraRespiraeNãoPasseVergonha e, ainda, #InspiraRespiraeNãoCometaUmCrime. Pena que a “#” não parece estar inspirando muita gente a ter comportamentos mais racionais e minimamente humanos. Ao contrário, a sociedade parece estar cada vez mais passional e abandonando a capacidade de pensar antes de agir.
Uma das áreas em que isso mais é visto, infelizmente, o esporte. Sob a desculpa de que os ânimos estão aflorados, se ofende pessoas que podem ser torcedores de outros clubes ou simplesmente estarem trabalhando para que os eventos se realizem. No Brasil encara-se como “normal” chamar juiz de ladrão ou ofender sua mãe. Não é normal. É, no mínimo, falta de educação. E isso é prática comum tanto nos nossos campeonatos locais quanto em competições maiores.
Outra área em que parece “aceitável” a barbárie é o trânsito. Um segundo a mais parado do semáforo e, aparentemente, o motorista de trás parece ter um ataque de ansiedade que o faz buzinar incessantemente. Será mesmo que ele está com tanta pressa ou a armadura de metal que o carro representa apenas lhe deixa mais corajoso – no pior dos sentidos – e disposto a ofender os outros? O “big brother” em que vivemos atualmente faz com que alguns desses péssimos comportamentos venham à luz e façam os estressadinhos passarem vergonha. Depois de filmado, vai parar em veículos de comunicação e na redes sociais e é necessário se explicar.
Mas há casos em que vai além. Tivemos, neste domingo, mais um homicídio em Triunfo. É a 12ª morte deste tipo em 2019. Alguns dos casos têm relação com o tráfico de drogas e o crescimento da criminalidade. Porém, ao que tudo indica, o mais recente crime iniciou com um desentendimento entre vizinhos e terminou com uma facada no coração. E não é o primeiro caso do tipo. No início do ano, também após uma desavença de vizinhos, quatro pessoas da mesma família foram assassinadas, também por facadas. Sabemos que integramos uma sociedade doente, em que explosões de fúria têm causado crimes assustadores, mas não podemos aceitar que comportamentos extremos sejam tratados como normais. Cada caso deve ter a sua responsabilização e penalização adequada. O mundo não precisa de tanta violência. E, é sempre bom lembrar: #Inspira #Respira #NãoPira.

Deixe seu comentário