Nesta quinta-feira, 1º de outubro, celebramos o Dia do Idoso. Envelhecer já não é mais um tabu. Embora ainda haja quem opte por não revelar a idade, esse número vem sendo, cada vez mais, motivo de orgulho para quem já passou dos 60. Foi-se o tempo em que as vovós e vovôs perfilavam o ideal corcunda e acanhado, sentado na cadeira de balanço assando biscoitos e contanto histórias do passado aos netos.

Os netinhos ainda são xodós e os biscoitos sempre serão os melhores. Mas certamente esses não são os únicos afazeres de quem chegou à terceira idade. Os idosos têm sonhos, projetam objetivos. Eles acordam, muitas vezes antes do nascer do sol, fazem seus exercícios físicos, preocupam-se com a saúde, o bem-estar e, sobretudo, em manter a mente e o corpo ocupados. Muitos trabalham (alguns, infelizmente, por falta de opção), estudam, viajam e aprendem novas atividades. São ativos nas redes sociais e nos ensinam a cada dia que envelhecer pode, sim, ser muito positivo.

Em tempos de pandemia, onde eles estão entre os principais grupos de risco, pensar na saúde física e mental dos mais velhos é dever de todos. Ações culturais, recreativas, esportivas e de lazer como as que acontecem na Semana do Idoso são belas formas de mostrar o quanto eles são importantes. Atividades físicas, mentais e também socialização são fundamentais para que eles possam passar por essa fase de forma tranquila. E isso não custa muito. Que tal fazer uma ligação, bater um papo com um idoso?

Um belo exemplo também ocorre na cidade de Maratá, onde temos a maior taxa de idosos na região: lá são feitas visitas recreativas aos moradores. Com máscaras, álcool em gel e distanciamento, na frente de casa ocorrem atividades físicas com músicas bem conhecidas pela população do interior; interação e, claro, muita risada. É simples. Parece pouco, mas faz toda a diferença no dia a dia daqueles vovôs e vovós. O programa “Alegria na calçada” já foi, inclusive, noticiado no Ibiá. A ideia foi aprovada pelos moradores, que recebem, como “tema de casa”, o compromisso de dançarem caso tenham sintoma de tristeza.
Terceira idade é para isso: viver, curtir e cuidar de si. Idosos devem fazer o que gostam e se importar com quem importa a eles. Que todos os nossos idosos tenham muito a celebrar neste dia que é deles. Que tenham saúde, uma vida digna e que possam usufruir de tudo o que passaram a vida toda construindo.

Deixe seu comentário