Já pensou poder se exercitar sem se preocupar em levar máscara para locais abertos ou academia? Ir a uma festa? Ir pra escola ou faculdade e encontrar diariamente os colegas? Entrar e sair das lojas sem se preocupar com vírus algum? Todas estas atividades e muitas outras não citadas eram normais antes da pandemia do novo coronavírus impor seus desagradáveis reflexos. Você lembra?

Pois chegou, enfim, a hora mais aguardada dos últimos 12 meses. Lá em janeiro de 2020, quando pouco se falava em Covid-19 no Vale do Caí e não tínhamos nenhum caso registrado no Brasil, entre os especialistas, algo importante já começava a ser dito: se confirmada a rapidez de transmissão desse vírus e sua gravidade, somente uma vacina trará tranquilidade ao planeta. Passados 12 meses, muito sofrimento e mais de 210 mil mortos apenas no Brasil, a chave para tirar esta preocupação de nossas mentes – a imunização – chegou. Os primeiros já foram vacinados e a ansiedade toma conta da população. É claro que precisamos conter a empolgação e evitar que o início da campanha gere perigosas aglomerações, mas este é, inegavelmente, o maior motivo de felicidade coletiva que tivemos nos últimos anos; razão de muita comemoração.

Nada é mais importante do que imunizar a população. Será esta vacina que oportunizará a segurança sanitária e econômica, necessárias para que retomemos nossas vidas com tranquilidade. É claro que ainda levaremos algum tempo para ver tudo voltar aos eixos, mas apenas a informação de que os mais vulneráveis a contrair o vírus e terem evoluções graves da doença estarão protegidos já nos enche de alegria e de esperança.

E, convenhamos, mesmo os que – assustadoramente – não estão preocupados com a própria saúde e a dos que amam, devem comemorar o início da vacinação. Afinal, ao contrário do que muita gente fez parecer, a saúde e a economia não caminham em direções opostas. Com as pessoas protegidas, seguras para sair às ruas e podendo usufruir de seus bens com tranquilidade, a economia voltará a se movimentar. As pessoas voltarão a viajar, a comprar, realizar eventos e a se planejar em longo prazo, com aquisições maiores e comprometimento de uma fatia mais representativa da sua renda. É isto que fará com que se injete dinheiro nas nossas empresas e se criem empregos. Definitivamente, quem faz campanha contra vacinação não está pensando no bem do país. Com ordem e respeitando as prioridades, vamos todos nos vacinar e dar início a este novo tempo.

Deixe seu comentário