A frase é tão repetida pelos mais experientes que dificilmente alguém desconhece. Inacreditavelmente, parece não servir de alerta o bastante para fazer com que as pessoas tenham atitudes sensatas quanto às suas próprias vidas e a dos que estão sob sua responsabilidade. Ano após ano nós registramos mortes no Rio Caí por afogamento. Basta esquentar para que a beira do rio fique cheia de gente, em diversos pontos espalhados por cidades do Vale, a maior parte imprópria pra banho e sem salva-vidas.
O Verão 2019/2020 mal começou e Cassiano de Paula, de apenas 5 anos, perdeu a vida ao banhar-se no trecho de São Sebastião do Caí. Ele desapareceu no início da tarde de domingo, 25 e apenas 45 minutos depois os Bombeiros Voluntários Caienses já tinham encontrado seu corpo. Em pleno Natal, uma família chorava a insubstituível perda. Não se trata de julgar os pais ou outro familiar, há de se respeitar a dor dos entes queridos. Mas não é possível encarar a morte desta criança como algo aceitável. Crianças não podem tomar banho de rio, mar ou piscina sem que um adulto esteja acompanhando. E este deve estar com os olhos na criança. É fácil pensarmos que sempre acontece com os outros, mas, um dia, pode ser com você.
Temos pela frente meses de calor nos aguardando. Por isso, fazemos um apelo. Aos jovens, que saem muitas vezes sem dizer aos pais que vão se banhar nos rios com amigos, cuidado acima de tudo, e responsabilidade na hora de escolher o local. Há lugares na região, como as cascatas no Maratá, que contam com salva-vidas. Já para as crianças, a responsabilidade é dos pais. E nem precisa ser em rio. Uma rasa piscina de plástico já oferece risco aos pequenos. Então, olhos atentos pais, avós, tios, padrinhos e toda a família. Se forem levar à praia ainda mais, afinal, é fácil se distrair na beira do mar e, além dos afogamentos, outro alto índice registrado nessa época é o das crianças perdidas. Eles são os mais caros tesouros de uma família. Não os coloquem em risco contando com a sorte. Quando ela falta, neste caso, a dor é incalculável.

Deixe seu comentário