Não é segredo para ninguém que o povo brasileiro padece no pagamento de impostos exagerados e mal aproveitados pelo poder público. São taxas em excesso, divididas em obrigações municipais, estaduais e nacionais. Não se compra uma garrafinha sem perder alguns centavos em imposto. Abastecer o carro? Lá vai dinheiro para os cofres estaduais e federais. Vai adquirir um imóvel? Prepare o bolso para as taxas. Assim é com absolutamente qualquer coisa. Mas não existe imposto que doa tanto quando o acerto com o leão.

O Imposto de Renda é fonte de dor de cabeça e preocupação para cada vez mais pessoas, considerando que hoje, basta receber cerca de R$ 2 mil mensais que já entra na obrigatoriedade de declarar o imposto. Isso porque, apesar das promessas eleitorais, a tabela há muito não é atualizada. O que fazer diante de tudo isso? Infelizmente, o cidadão não tem muita alternativa. Precisa sim arcar com seus compromissos tributários. Resta-lhe, em primeiro lugar, fiscalizar o bom uso dos impostos. Saúde, habitação, educação e infraestrutura são apenas algumas das áreas que dependem do imposto para se custear e trazer serviços básicos ao cidadão. Mas há outra ação possível, que é destinar parte do seu imposto para uma entidade ou projeto social da sua preferência.

Empresas que pagam imposto ao Governo no ato da sua declaração podem contribuir com até 1% do valor. Já pessoas físicas que têm sua declaração de imposto de renda completa e que têm imposto a dever ao Governo, podem doar até 6% deste valor. Em Montenegro, há diversos projetos nas áreas de atendimento à criança e o adolescente, pessoas com necessidades especiais, atenção ao idoso, causa animal e tradicionalismo. Por vezes, apenas por não ter o costume, ignora-se a oportunidade de indicar uma instituição séria para receber recursos.

Alguns poderão questionar que a ação não reduz o imposto, portanto, qual a diferença? Pois saiba que ela é gigantesca. Quando você paga o boleto com o valor do seu imposto, entre a bolada – as vezes uma soma considerável – ao governo sem saber como será aplicado e em geral desacreditado quando ao bom uso. Se optar por indicar a instituição, sendo ela próxima de você, nada o impede de visitá-la e saber, na prática, como o seu dinheiro está sendo aplicado. Além disso, mantém o valor circulando na sua cidade. Algo que, cada vez mais, é importante nos difíceis tempos em que vivemos. Nós deveríamos ter orgulho do imposto que pagamos. Infelizmente, o mau uso dele por parte de alguns administradores nos faz ter vergonha. O que era investimento, virou desperdício. Enquanto isso não muda – e depois também – invista seu dinheiro na sua cidade e em projetos da sua confiança!

Deixe seu comentário