Encerrada a eleição e toda a disputa que se criou em torno dela, começa uma nova etapa na vida dos vencedores, cujos efeitos serão sentidos por todos os gaúchos e brasileiros, independente de quem foram seus candidatos até ontem: a definição das equipes. As mesmas redes sociais que passaram meses vomitando fake news podem assumir, a partir de agora, o papel de um grande filtro que ajudará Jair Bolsonaro e Eduardo Leite a manter distância dos oportunistas. É agora que eles começam a voejar em torno dos eleitos, como moscas em busca de alimento na embalagem aberta de um vidro de xarope.
Mesmo durante a campanha, foi possível ver muita gente surfando na liderança do capitão sem a real convicção de que ele era a melhor alternativa. Pessoas que venceram eleições e ocuparam cargos públicos militando em legendas de enfrentamento à ditadura, como MDB e PDT, não tiveram qualquer pudor em defender o retorno do regime. Assim como havia acontecido no passado, quando Lula se elegeu e o PT recebeu, por exemplo, agentes da repressão travestidos de democratas, que aproveitaram o novo status quo para subir na carreira. Alguns deles agora retornaram às origens conservadoras porque já estão no topo.
Infelizmente, muita gente troca de lado sem vergonha alguma se isso puder render algum ganho pessoal. Não será diferente com Jair Bolsonaro e Eduardo Leite porque faz parte da história e da índole de algumas pessoas. Espera-se que tanto um quanto o outro, por terem prometido uma ruptura com os métodos tradicionais de governo, cerquem-se dos cuidados necessários para formar bons times. Aliás, devem montar equipes de trabalho de gente sensata, capaz de compreender que a campanha terminou e que agora têm compromisso com o Estado e o país inteiro e não somente com seus eleitores.
Na Democracia, é a maioria que vence. Perder e reconhecer o resultado das urnas é um sintoma de maturidade. Vencer e não se tornar aquilo contra o que se lutou, uma demonstração de grandeza. A população decidiu, para o bem e para o mal, aquilo que deseja. Todos devem respeitar isso.

Deixe seu comentário