Não estamos imunes à situação econômica difícil que o Brasil e, especialmente, o Rio Grande do Sul enfrentam. Todos conhecemos alguém – ou alguns – que esteja procurando por uma oportunidade de trabalho. O início de uma carreira. O sustento da casa. Um reingresso no mercado já na terceira idade. Os objetivos são muitos. Mas o desejo pelo emprego é o mesmo, multiplicado pela necessidade.
Apesar disso ser de conhecimento geral da população, a proporção alcançada às vezes consegue nos surpreender. É o caso da disputa pelas vagas do concurso público de Montenegro. Para concorrer a apenas 52 vagas – além de cadastro reserva – 4.623 candidatos se inscreveram. É claro que a proporção de candidatos por vaga muda muito dependendo de cargo. Há muito mais pessoas disputando para ser Assistente de Escola do que para Médico, obviamente. Mas, inegavelmente, é muita gente buscando trabalhar na prefeitura montenegrina, por salários que não são maiores do que os oferecidos em outras seleções públicas.
Isso se deve não apenas ao desemprego no setor privado, mas, também, à busca por estabilidade. Mesmo quem conseguiu manter o emprego, ou perdeu um serviço, mas já se recolocou no mercado está temeroso, inseguro devido às instabilidades. E a chance de uma vaga estável no setor público, numa prefeitura que nunca atrasou ou parcelou salários. É realmente uma grande oportunidade. Mas será para poucos, percentualmente.
Enquanto o concurso não chega, hoje e amanhã ocorre uma feira de empregos e oportunidades em Montenegro. Na Praça Rui Barbosa, 17 empresas com oportunidades, além de instituições que oferecem capacitação. É uma oportunidade imperdível para quem quer emprego ou precisa de formação.
Trabalho é fonte de sustento. Mas também é fonte de dignidade e, portanto, deve ser agarrado com todas as forças. Boa sorte para quem irá na feira e bons estudos aos que se inscreveram no concurso.

Deixe seu comentário