O carro e a moto são, sem dúvida, bens materiais necessários, essenciais para o trabalho, lazer e meios eficientes de transporte. Nos possibilitam liberdade de locomoção e ganho de tempo. Para algumas pessoas, são um símbolo de status e sucesso. Qualquer pessoa, quando chega aos 18 anos, tem como primeiro desejo tirar a carteira de motorista. Documento este que não é barato. Com a tão desejada CNH na mão, agora o desejo seguinte é comprar, também, o sonhado carro ou moto. Desde sua invenção, estes sempre fascinam o homem, principalmente os garotos. Muitos deles não esperam a idade certa e costumam pegar os veículos dos pais e, muitas vezes, causam acidentes inconsequentes. Com a situação da economia de nosso país favorável à compra, muitos acabam realizando-a.
O problema é que nossas rodovias, estradas e ruas estão saturadas de tantos veículos. E, cada dia mais, aumenta o número em circulação. Estes bens de consumo, que deveriam facilitar a vida das pessoas, por outro lado, se tornam um tormento que gera estresse, congestionamentos, poucos lugares para estacionar, etc. Em alguns casos, mostrados pela mídia, uma ocorrência de simples danos materiais resulta em discussões sobre quem tem razão e quem foi o culpado, acabando na morte de um dos motoristas. Dia desses, presenciei a um acidente de trânsito, onde, infelizmente, faleceu uma pessoa, aumentando esta lamentável estatística, e outras quatro resultaram feridas. O nosso trânsito fere e mata tanto como em uma guerra. Na minha profissão já atendi a muitos ocorrências deste tipo.
A maioria das fatalidades é causada por falhas humanas, além das péssimas condições das vias, mostrando um descaso dos governos com os motoristas que pagam impostos até para circularem. O carro e a moto podem se tornar armas ceifando vidas e mutilando tantas outras se conduzidos com irresponsabilidade e desatenção. Devemos ser cuidadosos na condução do nosso veículo, além de estarmos atentos aos outros que, assim como nós, disputam um espaço nas vias e, em muitos casos, tentam driblar o tempo, com velocidades acima das permitidas.
A embriaguez ao volante tem sido uma causa séria de acidentes. Temos, felizmente, agora, uma lei mais severa para quem dirige embriagado. Muitas pessoas ficaram contra tal lei e punição. Mas, tudo que vem a preservar vidas é muito benéfico e válido. Além disso, nossos veículos necessitam de manutenção periódica que, quando feita, também aumenta a segurança. Devemos ter educação no trânsito, sermos cordiais e pacientes com os outros motoristas e pedestres. E termos consciência de que um trânsito mais seguro é responsabilidade de todos nós.

Luis Fernando Quaresma
Comissário de Polícia Civil

Deixe seu comentário