Você já se perguntou se é feliz? Na vida cotidiana, no trabalho, o que significa felicidade pra você? A simples ausência de problemas ou aquele “friozinho na barriga”? Os mais exigentes dirão que felicidade é estar realizado em todos os aspectos da vida, mas podem estar enganados. Podemos ser felizes mesmo enfrentando problemas, se os encaramos como “combustível” para aprender e crescer.
A fundadora do Instituto Feliciência, Ana Holanda, diz que há infinitas definições para a felicidade. Ela defende que é um “estilo de vida”, que está muito mais ligada à forma como se vive o dia a dia. Seria simples e natural, se não fosse o fato de sermos duramente influenciados pelo modelo econômico no qual estamos inseridos. Por isso, inúmeras pessoas acreditam que sucesso é felicidade, mas o Feliciência defende que a felicidade, na verdade, está associada “a um estado de bem-estar físico, emocional e social, no qual impera muito mais o equilíbrio que a euforia.
Então podemos aprender a ser mais felizes?
Sim! Mesmo no trabalho, onde passamos tanto tempo da nossa vida (a maior parte, às vezes) é preciso avaliarmos se há bem-estar físico, social, padrão de vida, se você não é “esmagado” por uma rotina massacrante e escravizando seu cérebro ao comodismo. Uma coisa é certa: gente feliz no trabalho rende muito mais lucros. Sim… felicidade dá lucro! As empresas que sabem disso e cuidam bem da vida de seus componentes devem ter, desde os coordenadores até os serviços gerais, um bom ambiente, onde se possa ser feliz trabalhando. Isso vai gerar lucros. Atividades como ginástica laboral, terapias em grupos, seminários, cursos relâmpagos e incentivos de boa convivência são muito usados para trazer bons momentos no trabalho e mais felicidade. Pode ser necessário fazer uma análise na empresa, para saber como as pessoas ali se sentem A partir daí, fazer um desenho de um programa que contemple os principais desvios.
Na nossa vida particular, podemos também “facilitar a felicidade” para ter uma vida melhor. A gratidão é considerada um dos principais meios para aumentar a reserva de felicidade, com comprovação científica. Um exercício interessante que vi num artigo de Ana Holanda, editora da revista Vida Simples e fundadora do Feliciência, pode ser feito por 21 dias para habituar o cérebro a “escanear” aspectos positivos da vida. Ela sugere manter ao lado da cama um bloco no qual inserimos três situações às quais somos gratos. Depois de anotar, ler e agradecer. Por ser tão simples, há pessoas que podem não acreditar, mas certamente acreditariam caso sugeríssemos um remédio que fizesse o mesmo efeito.
Pense na sua felicidade. Busque-a. Lembre sempre que é saudável ser feliz, mesmo que os significados sejam muitos. Procure o seu significado e coloque logo em prática. Sempre é tempo de redescobrir em nós mesmos. Ouça mais sua voz interior e menos a voz do mundo. Se for necessário, mude atitudes, repagine-se e busque mais satisfação e leveza. Eu, neste momento, estou feliz por estar aqui escrevendo esse artigo. A simplicidade da felicidade é o principal ingrediente para uma vida mais leve! E feliz!

Nádia Bellaguarda
Cabeleireira autônoma

Deixe seu comentário