A vida é feita de escolhas que constroem ou destroem nosso caminho. Se do bem, rumaremos à evolução espiritual; se do mal, resta-nos o desperdício da vida que nos foi presenteada para cumprirmos o planejamento.
Por que planejamento? Antes de reencarnarmos, propomo-nos a cumprir tarefas de resgate, para aliviarmos nosso espírito de males que, em vidas passadas, praticamos. Ao aqui chegarmos,deparamo-nos com a vida material que nos chama, afastando-nos da nossa proposta de vida terrena.
Nesta trajetória, envolvidos com o mundo material, não percebemos os sinais, muitas vezes assoprados pela Espiritualidade e julgamos como uma ideia ou simplesmente intuição e não os seguimos. Há muitos anos, uma criança já se questionava sobre a sua existência. Haveria uma razão e propôs-se a descobrir. Foi então que numa novela, ainda quando a televisão não tinha cores, ouviu o seguinte dizer: “Ainda que eu fale a linguagem dos anjos e dos homens; ainda que eu tenha o dom de profetizar e conhecer todos os mistérios, se não tiver amor, nada serei.”
Palavras que nortearam a sua vida: na escola, aproximava-se de todos, sempre tentando auxiliar e praticar o amor. Descobrira, então, o caminho que percorreria: o caminho de Amor. Mais tarde, quando já adolescente, descobriu ser esse dizer uma passagem do Evangelho de Paulo, do capítulo XV, Fora da Caridade não há salvação (Evangelho segundo o Espiritismo).
A criança foi crescendo. Muitas vezes, errando, mas, a cada dia, tentando reparar os erros. Em um livro, conheceu Polyanna, a história de uma órfã que diante das vicissitudes sorria sempre. Seu sorriso era a defesa, a aceitação das dores, do sofrimento com resignação como forma de crescer espiritualmente e de vencer as dificuldades, aceitando-as e acreditando com seu sorriso, numa existência produtiva e feliz, pois sabia, inconscientemente, que não estava sozinha.
Tanto o dizer como o livro foram sinais que contribuíram na vida da criança. O amor cultivado no coração e o sorriso de Polyanna levaram-na a compreender e a sentir a voz de Deus, alimentando uma força interior que encontrava na fé.
Estejamos atentos à rotina, ao dia a dia, pois muitos sinais surgirão. Na fé em Deus, conseguiremos percebê-los, cultivando o amor, o perdão e a caridade e descobrindo que um sorriso vence obstáculos, porque nele está a gratidão a Deus, pela vida que nos proporciona, pelos sofrimentos que nos levam a crescer espiritualmente e pela felicidade em fazer o bem.

Deixe seu comentário