“Posso ou não doar meus órgãos (coração, rins, fígado, pulmões)? Será que é pecado? O que acontecerá com o meu corpo na ressurreição?”. Essas são algumas perguntas que cristãos e cristãs se fazem quando se defrontam com a questão da doação de órgãos. As respostas para estas perguntas encontramos na Bíblia.
O primeiro texto bíblico que nos orienta diz: “Mas a verdade é que Cristo foi ressuscitado, e isso é a garantia de que os que estão mortos também serão ressuscitados.” (1 Co 15.20). A ressurreição é a certeza de que teremos uma morada celestial (2 Co 5.1). E o corpo que teremos nesta nova morada será o corpo espiritual. Será como uma semente lançada na terra que, ao germinar, não será a mesma semente, mas terá a mesma essência, a mesma alma. Assim, na morada celestial, não nos faltará nenhuma parte, primeiro, porque não teremos o corpo físico, mas sim o espiritual; segundo, porque ressuscitaremos com um novo corpo.
Enquanto vivermos neste mundo, Jesus nos ensina: “O meu mandamento é este: amem uns aos outros como eu amo vocês. Ninguém tem mais amor pelos seus amigos do que aquele que dá a sua vida por eles. Vocês são meus amigos se fazem o que eu mando. Eu não chamo mais vocês de empregados, pois o empregado não sabe o que o seu patrão faz; mas chamo vocês de amigos, pois tenho dito a vocês tudo o que ouvi do meu Pai. Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, fui eu que os escolhi para que vão e deem fruto e que esse fruto não se perca.” (Jo 15.12-16a).
Doar órgãos não é pecado, pelo contrário é um gesto de amor ao próximo que muitas vezes agoniza, esperando por um órgão. Doar órgãos é doar vida, é multiplicar o fruto do amor.
A consciência sobre a possibilidade e a importância da doação de órgãos vem através da informação. Nesse sentido, a explanação da Drª. Tatiana Michelon, no Encontro Paroquial das OASEs (Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas), da Paróquia Evangélica União em Montenegro, ocorrido no dia 2 de agosto deste ano, no Pavilhão Evangélico da Costa da Serra, foi de extrema importância. Muitas mulheres puderam conhecer o trabalho que é realizado no Hospital Montenegro 100% SUS, no que se refere à doação de órgãos, além de tirarem dúvidas quanto aos órgãos que podem ser doados, quem pode ser doador, quem autoriza a doação, entre outras questões.
Que o Projeto Cultura Doadora, da Fundação Ecarta tenha vida longa e que Deus continue abençoando esse trabalho para que mais pessoas possam ser informadas e motivadas a multiplicar a vida, o amor ao próximo.

Dério Milke
Pastor da Igreja Evangélica de
Confissão Luterana no Brasil – IECLB

Deixe seu comentário