A manhã não estava cinzenta. O sol brilhava, aquecendo o dia. Mas ela chorava, perdera a vida, o sentido. Tamanho o desespero a fez orar. A prece surgiu espontânea, do fundo de sua alma, recorreu a Deus. Em cada palavra proferida, a fé ressurgia. A fé nos embala e nos harmoniza! E a prece, quando dita com o coração, sintoniza nosso pensamento e nos une a Deus.
Quando orar? Sempre! Quando agradecer? Sempre! Agradecer pela vida, pelo amor, pela dor, pela família, pelo trabalho, pelo dia que amanheceu cinzento, com chuva ou com sol ou, simplesmente, por termos despertado para mais um dia. Que bênção!
A prece nos conduz a um estado de alma, enlevando-a de tal forma que nos sentimos leves, como se fôssemos somente pensamento. Ao pronunciarmos as palavras e nos dirigirmos a Deus com humildade e resignação, uma sensação de paz e o louvor ao nosso Pai acontecem e surge um sentimento de gratidão a Jesus, nosso Mestre e Irmão. A prece nos harmoniza com a Espiritualidade de Luz, abranda nossas angústias e nos faz ver, sentir e compreender a vida terrena conforme Cristo pregou: a dor vivida, aquela que nos faz chorar e nos entristece, é a porta estreita que se abre para a nossa evolução espiritual; as alegrias sentidas, aquelas que nos dão a sensação de sair gritando e saltitando pelas ruas, se gratos formos, mais perto de Deus estaremos.
No entanto, estejamos atentos!A prece deve conter o pedido das graças que necessitais em realidade. Que é o que, na maioria dos casos, pedis a Deus? Já vos tendes lembrado de pedir-lhe a vossa melhoria moral?” (Evangelho Segundo o Espiritismo – Capítulo XXVII – Pedi e obtereis). Essa é a nossa meta: nossa transformação moral. Buscar na prece o fortalecimento da nossa fé! Pedir paciência e resignação diante das vicissitudes; ser grato por tudo o que vivenciamos!
Orar é um hábito. Não existe horário! Pode ser a qualquer momento, seja em pensamento, seja falando, a prece é a expressão que nos liga a Deus, se dita com o coração aberto ao Pai. Ele está atento e presente na vida de cada um de nós. Certamente, Ele sempre nos guiará, às vezes, não pelo caminho que gostaríamos, mas por aquele que para nós é o melhor, aquele que nos levará à luz de Deus. Orar e confiar! É o remédio maior que nos conduzirá à paz interior.
E Ela? Aquela que havia perdido o sentido da vida? No mesmo dia, sentiu o amor de Deus em si e a força da prece em seu ser.

Regina Maria Teixeira Simões
Sociedade Espírita Missionários da Luz

Deixe seu comentário