Podemos entender que o 9º Mandamento se reporta ao comportamento subjetivo, ou seja, a partir daquilo que está escondido lá no íntimo de nosso coração. Relaciona-se com o que a pessoa pensa e sente, tendo como consequência ações pecaminosas. Conhecendo bem a fraqueza humana, a mídia enche os nossos olhos, alimentando e explorando exaustivamente nossa cobiça, fazendo-nos sentir infelizes, inferiores, enquanto não possuímos ou adquirirmos o “objeto” de nosso desejo.
O reformador da Igreja cristã, Martim Lutero, enxergou no 9º Mandamento a finalidade de Deus de proteger as condições básicas da vida das pessoas. Em todos os tempos, desde os bíblicos, passando pelo século XVI (Reforma de Lutero) e chegando aos nossos dias, pessoas enganam e desapropriam os outros sob pretextos legais. Utilizam todos os truques e trapaças possíveis para acumularem riquezas, bens e posições e status sociais. O próprio profeta Miquéias já dizia: “Quando querem terrenos ou casas, eles os tomam. Maltratam os outros e não respeitam a família nem a propriedade de ninguém” (Mq 2.2).
A verdade, que muitas pessoas não querem reconhecer, sobretudo quando se olham diante de um espelho e são chamadas a refletirem sobre o que possuem no coração, é que o nosso coração necessita de ser purificado, pois a natureza humana sem Deus é corrompida e má. Jesus disse: “Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias” (Mateus 15.18-19). Para muitas pessoas, apenas o coração do próximo é impuro. Elas têm dificuldades em reconhecer a própria fragilidade e seu pecado.
Em reconhecimento da necessidade de purificação do próprio coração, o rei Davi clama a Deus: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito estável” (Salmo 51.10).
Assim, o 9º Mandamento do Decálogo é como um espelho que nos mostra a realidade e nos exorta a cuidarmos para não sermos dominados pelos maus desejos de nossa natureza pecaminosa. Podemos atualizar a explicação do mandamento com as seguintes palavras: Devemos temer e amar a Deus e, portanto, não seguir a prática da sociedade de avançar por cima de nosso próximo, de acumular bens e poderes às suas custas, e privá-lo do sustento vital, mas devemos ajudar as pessoas e assegurar seu direito de manter e recuperar o que é essencial para viverem dignamente.
Nem a ingratidão, tampouco o egoísmo tem lugar na vida da pessoa cristã. Sejamos pessoas cristãs de prática e vivência da fé e não somente de título! Pense nisso! Reflita nisso!
P. Marcio S. da Costa – Paróquia Evangélica de Montenegro – IECLB
Avisos da semana:
– Hoje, dia 27.09, 19h–Comunhão e Discipulado nos bairros Centenário, Santo Antônio e Senai; 19h30–Adolescentes.
– Sábado, dia 28.09, das 9h-9h45–aulas de violino, das 9h45-10h30–aulas de violão, das 10h30– 11h40–ensaio do Coral infantil.
– Domingo, 29.09, 19h30–Culto com unção de óleo(oração e bênção à saúde).
– Terça, 01.10, 14h30, OASE–Trabalhos Manuais, 17h–reunião da Diretoria da OASE-HM.
– Quarta, dia 02.10, 19h–Encontro Revisão do PAMI.
– Quinta, 03.10, 18h30-20h–Ensino Confirmatório do 1º ano, 19h–Comunhão Discipulado (Coorde.)

Deixe seu comentário