Não, não digo isso porque “agora é sempre melhor que depois” ou pra “não deixar pra amanhã o que pode fazer hoje”. Digo porque agora é o melhor momento mesmo. Com a economia Argentina ainda em crise, o Peso (moeda nacional) está superdesvalorizado em relação ao Real, e isso abre portas para quem ainda não conhece e quer se aventurar no país vizinho.

Destaco a Patagônia porque é a região onde estamos há quase dois meses e onde sabemos, e vivemos, a real situação. Mas, pelo que ouvimos, vale para a Argentina. Pra ter uma ideia, na última quarta-feira, dia 24 de julho, com R$ 0,08 era possível comprar 1 peso. Dizendo de outra forma: R$ 1,00 dá direito a 11,29 pesos.

Com o equivalente a R$ 1,00, compramos
mais aqui do que compramos no Brasil

E o valor argentino tem valido mais quando se vai ao mercado, por exemplo. O nosso R$ 1,00 tem comprado menos aí do que os 11,29 pesos compram aqui. E a comida é só um exemplo, porque a realidade é a mesma em eletrônicos, eletrodomésticos, hospedagem e gasolina.

Resumindo, o nosso dinheiro rende mais e nos dá a chance de conhecer mais lugares. Mas, atenção! Essa regra tem exceções, claro. Em grandes centros, como Buenos Aires e Bariloche, os preços de absolutamente tudo são altíssimos. Totalmente esperado, principalmente por serem locais muito turísticos. A dica é fugir dos roteiros comuns da Argentina e buscar o encanto de uma Patagônia que pulsa nos pequenos povoados, por exemplo. Uma maneira incrível de experimentar tudo que o País tem a oferecer e ainda impulsionar a economia dessas cidades.

Sério, o turismo tem sido uma válvula eficaz utilizada pelos países para se recuperar de crises econômicas ou sociais. Como é o caso da Colômbia. Você sabia que foi o estímulo ao turismo que transformou o país marcado pelo tráfico e pelos cartéis na Colômbia das ruas coloridas e mar caribenho? Foi a grana injetada pelos turistas que conseguiu, na primeira década do século XXI, deixar o passado bem pesado pra trás e trilhar um futuro pensado para os estrangeiros e maravilhoso para seu povo viver.

A Argentina não tem uma história tão tensa a esquecer e “esconder”, mas um presente que precisa ser mudado. E o turismo tem força para fazer isso.

Bom pra nós, péssimo pra eles
O povo argentino tem sentido cada dia mais a crise, mesmo que a expectativa seja de melhora ainda em 2019, graças a acordos internacionais. Ainda está bem complicada a realidade de quem mora aqui. Convivendo com os “hermanos”, ouvimos relatos e reclamações bem parecidos com os nossos há uns anos. “O pão dobrou de preço; não consigo mais pagar a luz, a água e o gás todo mês, ir ao mercado é um desafio; só compramos o necessário para viver”, e outras frases bem tristes e, infelizmente, familiares.

Os cidadãos ainda estão sem saber como passar ilesos por essa situação, que tem afetado diretamente a taxa de desemprego no País. E, ainda, esse ano eles passam pelas eleições presidenciais, que contará com duas frentes muito fortes: a tentativa de reeleição de Macri (atual presidente que diz estar recuperando a crise econômica) e uma chapa com Cristina Kirchner, ex-presidente, como vice. Está claro que em outubro o povo vai ter que decidir a qual passado querem voltar. Estranho, né?

Há muito que conhecer
Para quem ainda está em dúvida sobre a Argentina ser ou não um bom destino, deixamos aqui alguns locais que já conhecemos e que nos encantaram:

El Chaltén
Capital Nacional do Trecking, El Chaltén tem inúmeras opções pra quem curte caminhada, pedal e contato direto e extremo com a natureza. E a vista? Bah, a mais linda possível! Mas, o melhor é esperar até setembro pra ir, quando todas as atrações voltam a estar disponíveis.

Ushuaia
Ushuaia é o ponto mais ao sul das Américas e a primeira grande parada da nossa aventura. É um lugar incrível, com passeios a paisagens lindíssimas (alguns gratuitos) e que não tem o alto custo dos grandes centros, mesmo sendo uma cidade bem turística. No inverno, algumas atrações naturais estão fechadas por causa do gelo e da neve, porém, só nessa época é possível ter esse cenário impressionante da cidade, com neve rodeando todo o povoado.

Esquel
Pertinho de Bariloche, Esquel é um destino mais barato e igualmente lindo para quem quer aproveitar neve, esqui e paisagens lindíssimas. Rodeado por montanhas, que nesta época ficam cobertas de neve, Esquel tem sido nossa casa há uma semana e não temos do que reclamar da vista do nosso quintal

El Calafate
Além de uma cidade superfofa (algo raro por aqui), El Calafate guarda um dos maiores glaciares do mundo. O Perito Moreno é uma atração bem acessível, considerando que está em um Parque Nacional e área de preservação. Vale a pena conferir a imensidão dos 70 metros de altura e aproximadamente 257km² de gelo.

Deixe seu comentário