Foto: arquivo pessoal

Tem sido uma discussão cada vez mais frequente a necessidade que a sociedade atual tem de escolher. Temos sempre que estar na direita ou na esquerda, ser totalmente contra ou totalmente a favor, amar ou odiar. Dizem que são elas, as escolhas, que moldam a nossa vida. Porém, gosto das vezes em que nós, seres hipercomplexos e cheios de nuances, conseguimos driblar o “sim ou não” e desfrutar de todas as opções – ou diversas delas.

E muitos se vêem contra a parede quando a decisão é investir em casar ou em uma viagem inesquecível a dois. A família pergunta quando vai ser a festa, os amigos pensam nos presentes e a sociedade descarrega imagens, vídeos, textos e mais um bando de coisas que te faz pensar que necessita de uma festa de arromba pra todo mundo sair feliz. Mas e quando o casal só consegue pensar na viagem que vem depois de tudo isso?

Rodrigo e eu estamos juntos há mais de oito anos. Começamos a namorar na escola, começamos a descobrir o mundo juntos e decidimos casar. Fofo, né? Só que nesse meio tempo, a Analuz chegou a nossa vida e decidimos viajar também. E aí? Escolhemos os dois! É óbvio que tivemos muitos gastos e precisamos descobrir maneiras de economizar para tirar os sonhos do papel – e prometo que isso vai ser assunto em breve -, mas colocamos ambos como prioridade.

Casamos dia 6 de outubro de 2018 e pedimos de presente para nossos amigos e familiares dinheiro. Com a grana, compramos algumas coisas essenciais para morarmos juntos e investimos o resto em viagem. Na Lua de Mel dos nossos sonhos.
E pra quem tem o objetivo de unir o amor e a aventura, acredite: não tem nada melhor!

Viajar em dupla é tudo de bom
De quem viaja sozinho, ouvimos sempre que é a forma mais profunda de se conhecer e entender seus reais desejos e motivações. De quem viaja em grupo, com a galera, escutamos que é a experiência mais extrema, que se acorda muito cedo, se dorme muito tarde e se aproveita cada minuto.

Agora, de quem viaja em dupla, com namorado, noivo, marido, companheiro, crush, seja lá o que for, a gente ouve que é só nos perrengues da viagem que é possível conhecer de verdade quem está do seu lado. Que nas divergências sobre destinos, a pousada ideal, os passeios e a forma certa de sair de cada problema, a gente acaba sabendo como a pessoa vai reagir em diversas situações da vida. A viagem desperta a essência de cada um. Tira da zona de conforto e mostra a realidade, querendo ou não.

Só em casal, você tem a ajuda que precisa desde a hora de organizar as malas. Melhor coisa nessa hora é ter alguém para te lembrar da escova de cabelo, do par de meias extras ou da caixinha de remédio. Fora que vocês podem dividir a carga (perfeito para quem vai acampar).
Cada um quer ir em uma atração diferente? Isso também é o máximo! Se der pra ir nos dois, são mais histórias pra contar. Se a escolha for um só: alguém vai ter que abrir mão, mas acredite, o inesperado pode ser incrível e acabamos amando algo que não imaginávamos.
Viajar a dois também significa muitas fotos no cartão de memória: de cada um, da paisagem, dos dois, dos momentos inesperados, das caretas, dos pratos de comida do parceiro. Quando os dois gostam fotografar, então, é melhor ainda.

Para casais, por aqui e em grande estilo
Gramado e Canela

Clichê, mas cheio de encantos. O roteiro que inclui as cidades serranas de Gramado e Canela é o preferido dos casais não só gaúchos, mas do Brasil inteiro. Seu maior ponto de interesse são os roteiros culinários, que incluem deliciosos estabelecimentos especializados em chocolate quente, fondues e vinhos. Para quem aprecia arquitetura e turismo histórico-cultural, as cidades oferecem uma verdadeira exposição a céu aberto, com igrejas monumentais que lembram castelos e casas de arquitetura alemã.

Cambará do Sul
O Parque Nacional Aparados da Serra e o Parque Nacional da Serra Geral estão localizados em Cambará. Eles possuem os maiores cânions do Brasil, o Itaimbezinho e o da Fortaleza. Cachoeiras, trilhas e cavalgadas esperam os casais mais aventureiros e que não abrem mão de uma viagem com contato direto e extremo com a natureza.



Bento Gonçalves

A escolha de Bento pelos casais se deve também ao seu clima frio, boa rede hoteleira, restaurantes e por ser uma região de vinicultura muito interessante. Aliado a isso, a cidade possui passeios histórico-culturais e ecoturismo. O Vale dos Vinhedos e as dezenas de casas de vinho da cidade são verdadeiras relíquias, possuindo criações da época das colônias, criadas por italianos.

Deixe seu comentário