Desde ontem, dia 19, está valendo um novo contrato emergencial para o transporte escolar em Montenegro. O pregão oficial passou por cinco suspensões desde o início do ano letivo e, diz-se, está em fase de análises. Mas essa nova “emergência” acabou sendo um banho de água fria nos empresários que já estavam se preparando para serem contratados “oficialmente”. Na fase atual, afinal, os vencedores já são até conhecidos, mas a expectativa, agora, é baixa. É que, se superado o emergencial, eles só vão entrar em um contrato que acaba já em dezembro. São poucos meses para, no ano que vem, terem que começar de novo.

O lado bom
Ao menos, o novo contrato emergencial supera a regra do número mínimo de passageiros. Estipulada no início do ano, ela proibiu o uso de veículos com menos de 25 lugares. Mas acabou que as contratadas colocaram grandes ônibus para trafegar nas estreitas e, nem sempre boas, estradas do interior. Os transtornos foram muitos. A regra já tinha sido revista no edital “oficial”, mas seguiu valendo no emergencial vigente até a última sexta-feira. Um problema a menos.

Custos e interesses
Donos de transportadoras foram à Câmara reclamar da demora para a conclusão da licitação e também do valor que lhes é (ou será) pago. A queixa é que os índices previstos para o pagamento – o dado de que um ônibus roda 6,8 quilômetros no interior com um litro de diesel, por exemplo – não correspondem à realidade. O governo, por sua vez, defende que todas essas referências vêm de dados oficiais. E houve até representante do Executivo que questionou o porquê de, se está mesmo tão ruim, ainda haver tanta disputa para ganhar o contrato.

E falando em polêmica…
… Valdeci de Castro (PSB) e Felipe Kinn (MDB) estão atrás da denúncia de que uma das já contratadas não estaria recolhendo encargos trabalhistas dos motoristas. Buscando provas, quiseram contornar os 30 dias de prazo para retorno do Executivo aos Pedidos de Informação. Pediram os documentos via protocolo e, aí, um susto: a Prefeitura ia cobrar quase R$ 300 deles pelas cópias.

Mudanças
Essa é a emergência! De cada pedra que se levanta, nova polêmica envolvendo o transporte surge. Casos de veículos atolados, sem freios, e até “derrubando” pontes. E o que mais pesa é a visível falta de conservação dos ônibus usados. Se a razão é a lei, que a nível federal os categoriza como “aceitáveis”, não há dúvida do que precisa ser mudado. Atenção, representantes do povo!


Eleições 2020
Evento na sexta-feira marcou a filiação de Percival de Oliveira ao PRB. Com ela, é dado como certo o nome do ex-prefeito como um dos pré-candidatos à Prefeitura de Montenegro no ano que vem. Ele entra no páreo ao lado de Kadu Müller e Gustavo Zanatta. Há bastante especulação, por enquanto, sobre os demais nomes que concorrerão. Apesar de ter amargado o 4º lugar em 2016, Oliveira ainda é visto como um candidato forte. Já foi prefeito duas vezes e vereador outras três.

PSL – Oregino Francisco desistiu da ideia de concorrer por aqui para tentar a reeleição em Pareci Novo. Ele era o principal nome do PSL em Montenegro, que agora deve recorrer a outras pessoas. Especula-se que as opções sejam o coronel Leodimar Mantovani e o sub-comandante do 5º BPM, major Iber Augusto Giordano. O último, aliás, foi avistado almoçando com Oregino na última semana. Será?


Quebra-molas
O Daer acatou o pedido dos vereadores Josi Paz (PSB) e Joel Kerber (PP) e instalou as duas primeiras faixas elevadas da ERS-411. Os “quebra-molas” ainda precisam ser melhor sinalizados, mas foram colocados junto a duas escolas com o objetivo de refrear o tráfego de veículos em alta velocidade na região. Há de se convir que a obra é um tanto peculiar para uma rodovia estadual, mas o trabalho é uma mostra de que, quando se quer, se consegue colocar a segurança da comunidade em primeiro lugar. Já teve quem sugeriu o mesmo para a RSC-287.


Ainda sobre a retroescavadeira na Cooperativa de Reciclagem
Outro tema que rendeu no cenário político montenegrino na última semana foi o caso da retroescavadeira na Cooperativa de Reciclagem. O assunto estava abafado há meses, mas veio à tona quando os vereadores Valdeci de Castro (PSB) e Felipe Kinn (MDB) receberam a denúncia e divulgaram a situação aos quatro ventos, inclusive registrando Boletim de Ocorrência sobre o caso. É que a máquina, de propriedade da Prefeitura de Montenegro, mas cedida aos cooperados, foi encontrada por eles – então, misteriosamente – parada na Cooperativa, sem pneus e com os vidros quebrados.

Resumo da ópera – descobriu-se que a “retro” estava sem pneus porque a Administração optou por trocá-los por “maciços”, que são mais resistentes ao trabalho feito no local. Também, que os vidros foram quebrados após o relacionamento amoroso da presidente da Cooperativa com um catador ter terminado mal e ele resolver descontar a raiva no patrimônio público do Município. Quase coisa de novela! A Prefeitura já sabia do caso, um primeiro B.O. já tinha sido registrado em julho e a presidente, aliás, se comprometeu à pagar o conserto.

Cuidados – O que ainda está mal explicado é o porquê de, entre julho e a semana da descoberta dos vereadores, a máquina que ficou sem pneus para a troca ter ficado ao relento na Cooperativa. O Executivo afirma que ela estaria coberta por uma lona, mas nada do tipo foi visto no dia da visita de Valdeci e Felipe. A reportagem do Ibiá esteve no local dias antes, inclusive, em pauta sobre outro tema, e também não havia lona nenhuma. Deixar uma máquina pública sob sol e chuva por meses é o fim.


RAPIDINHAS
Na sessão da Câmara, Valdeci de Castro (PSB) largou um “pérola” que deixou o público com dificuldade de segurar o riso. Disse na tribuna que o Executivo “tinha que levantar as mãos pro céu por ter um vereador 24 horas fiscalizando os problemas da cidade”. Imaginem o prefeito Kadu dando graças pela pilha de Pedidos de Providência que recebe diariamente do vereador!

E por mais sérias que sejam as reivindicações trazidas por Valdeci, ele acabou enrolado na semana passada por causa de uma brincadeira. Quando resolveu ironizar a situação das estradas do interior, que, de tão precárias, teriam que ser de mão única, alguns compraram a ironia por verdade e caíram em cima. Ele precisou se explicar.

Mais uma vez em Brasília, o prefeito Kadu passou quase uma semana agradecendo emendas recebidas e protocolando novas solicitações de recursos para Saúde, Educação e Infraestrutura. Que rendam bons frutos! Nesse caso, aí sim, cabe aceitar a sugestão e levantar as mãos em agradecimento.

Chamada pelo vereador Talis Ferreira (PR) de “o coração da cidade”, a secretaria municipal de Viação e Serviços Urbanos será tema de reunião na Câmara. Os vereadores querem entender o serviço feito e o porquê de tantas reclamações sobre a área continuarem chegando a seus gabinetes.

Teve quem criticou o governo por, no final de semana, organizar toda uma cerimônia só para inaugurar o cercamento em volta da Escola Dr. Walter Belian. Mas em tempos em que as obras da cidade parecem tão sofridas para serem entregues à comunidade, dá para entender o motivo de tanta comemoração.

Deixe seu comentário