A instalação de um Plantão 24h na Secretaria Municipal da Saúde é uma excelente notícia no apagar das luzes de um ano difícil, em que a falta de verbas engessou as ações da Prefeitura e deixou muita gente descontente. O anúncio foi feito pela secretária Cristina Reinheimer durante uma reunião com vereadores e agradou não apenas aos parlamentares, mas a uma boa parcela da população. Hoje o serviço funciona junto ao Hospital Montenegro e há muitas queixas decorrentes das longas filas que se formam, sobretudo, à noite e durante os feriadões. A própria direção do HM vem defendendo que a Prefeitura, constitucionalmente responsável pela atenção básica, assuma o pronto-atendimento. A data prevista para o lançamento é março.

Na Timbaúva – Na prática, com a criação do Plantão 24h na Assistência, todas aquelas pessoas que hoje recorrem ao Hospital para tratar problemas de saúde menos graves, como gripes, cortes e consequências de pequenos acidentes domésticos, terão de se deslocar para a Timbaúva. É lá que vai funcionar o consultório com médicos e enfermeiros para fazerem estes atendimentos. O Hospital, a partir de então, receberá somente casos mais graves.

Efeito colateral – Atualmente, o Município repassa R$ 365 mil por mês para a manutenção do PA, que deverá ser desativado. As maiores vítimas serão os moradores das cidades vizinhas, que hoje são atendidos no HM, embora poucas das prefeituras que despejam seus doentes na recepção ajudem a bancar os serviços. A instituição não vai manter um plantão só para eles, até porque o prejuízo seria enorme.

Custo – É provável que a Administração Municipal tenha tomado a decisão porque acha os valores pagos ao HM altos demais. Do ponto de vista político, o risco é grande, as reclamações por causa das filas, que hoje são dirigidas ao Hospital, passarão a ter como alvo o prefeito. A menos que funcione tão bem que não haja queixas. Um desafio e tanto.

Referência – Para a população, a criação de mais um serviço na área da saúde pública é um importante ganho. Até porque vai liberar espaço no Hospital Montenegro e permitir a concentração de esforços na instalação de outros tipos de atendimento. Faz tempo que a instituição busca se transformar, entre outros, num centro de referência em Neurocirurgia. Todos ganhariam com isso.

Informação
– O diretor do Hospital Montenegro, Carlos Batista da Silveira, disse que dá o maior apoio à decisão da Prefeitura. “A secretária Cristina é uma pessoa altamente qualificada. Certamente já fez um levantamento dos custos e das contratações que serão necessárias”, afirmou. Ele também entende que deverá haver um período de adaptação, assim como a realização de uma ampla campanha de informação. “É muito importante que todos saibam o que vai funcionar na Secretaria e quais os casos que o Hospital atenderá”, acrescenta.

Déficit
É grande a expectativa sobre o fechamento das contas da Prefeitura no exercício de 2018. A promessa era a de encerrar o ano com as contas em dia, algo que não acontece desde 2015, mas há quem preveja um pequeno saldo a liquidar em 2019. Ano passado, o município havia gasto R$ 6,7 milhões a mais do que arrecadou.

Últimos dias para Renato Kranz
Está confirmado. Esta é a última semana do professor Renato Kranz à frente da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural. Dia 2, ele assume a direção ao CIEP Ivo Bühler, onde já exerceu esta função e também lecionou. De acordo com o chefe de gabinete do prefeito, Edar Borges Machado, ainda não está definido quem ficará no lugar do colega, mas a preferência é por alguém com perfil mais técnico do que político.

Casa arrumada – Edar elogiou o trabalho que Renato fez ao longo do ano. Ele reestruturou toda a legislação relativa aos incentivos fiscais para produtores e de concessão de bônus pela emissão de notas. Os novos textos privilegiam aqueles que realmente investem na produção e, portanto, dão retorno ao Município em impostos. E, na semana passada, a pasta adquiriu ainda mais robustez ao assumir a conservação e manutenção de estradas, tarefa que antes cabia à Secretaria de Viação e Serviços Urbanos.

Força
– Ao absorver a manutenção das estradas, a SMDR sobe de status dentro do governo. E o titular, como gestor do parque de máquinas do Município, ganha força política. Se trabalhar direitinho e souber capitalizar suas realizações, facilmente se torna vereador e ainda contribui para o esforço de reeleição do prefeito.

A culpa de cada um
Reduzir as badernas em ambientes públicos durante a noite e aos finais de semana não é uma tarefa simples, especialmente nesta época do ano, quando o efetivo da Brigada Militar, que já é pequeno, costuma cair ainda mais pelas transferências para o litoral. Ajudaria bastante se o comércio fosse um pouco mais cuidadoso e não vendesse álcool para os menores de idade. A lei existe, mas o lucro fala mais alto. Basta ficar alguns minutos em frente a bares e lancherias para constatar que dificilmente alguém pede a carteira de identidade para checar a idade do comprador.

Liberdade – O trabalho da Polícia no combate à esculhambação é fundamental, mas o cidadão pode – e deve – fazer muito mais. Se as famílias assumirem o seu papel, impondo regras aos adolescentes, e o comércio fechar as “torneiras”, restarão poucos baderneiros nas ruas, que rapidamente serão enquadrados pelas autoridades. É hora de aprender que a liberdade de fazer barulho termina na de quem quer silêncio.

Barulheira
Mais uma virada de ano se aproxima e certamente não faltarão críticas ao uso abusivo de fogos e a seus efeitos sobre os cães e gatos. Crianças, idosos e doentes também sofrem com a barulheira, mas eles têm menos advogados do que os pets, atualmente. O fato é que este problema poderia estar resolvido se a Câmara de Vereadores tivesse tido a coragem de criar uma legislação proibindo a venda de rojões, foguetes e outros artefatos que produzem ruído.

Iludidos – Normativas deste tipo já existem em centenas de cidades brasileiras. No começo deste ano, os vereadores Talis Ferreira (PR) e Cristiano Braatz (MDB) chegaram a mostrar interesse no assunto e até realizaram uma audiência pública sobre o tema. Acabaram não propondo a lei por falta de consenso. Doce ilusão esperar que todos tivessem a mesma opinião.

Canudos
– Outra pauta que requer atenção diz respeito aos canudinhos de plástico. Em todo o país, surgem leis proibindo o uso em benefício do meio ambiente. Mas se esperarem por consenso, suas excelências devem puxar um banquinho.

Rapidinhas
* Cerca de 18 mil motoristas foram multados em ruas e estradas gaúchas neste feriadão de Natal. Quase metade das autuações teve como causa o excesso de velocidade. No mesmo período, foram registrados 132 acidentes e 20 mortes.

* O prazo para justificar a ausência no segundo turno das eleições de 2018, dia 28 de outubro, termina hoje. Os eleitores que não votaram precisam regularizar a situação, sob pena de impedimento de fazer matrícula em universidades, tirar o passaporte, tomar posse em cargo público e receber o salário, no caso dos servidores. O Cartório Eleitoral fica na Bruno de Andrade, 1809, Timbaúva.

* Em Minas Gerais, o deputado eleito Cleitinho Azevedo (PPS) aguarda uma resposta da Assembleia Legislativa do Estado sobre a possibilidade de transformar seu gabinete em uma hospedagem. Morador de cidade próxima à capital, ele pretende instalar chuveiro e uma cama no local para economizar a verba do auxílio-moradia.

Deixe seu comentário