A dança está presente no comportamento humano desde que o homem se deu conta de sua interrelação consigo, com o outro e com o mundo. Foi atribuída a eventos mágicos ou místicos e, até hoje, em alguns locais, acredita-se que o dançar influencia na maneira como as coisas acontecem na sociedade e, por consequência, na vida das pessoas.
Dançar se refere a movimentar o corpo de maneira espontânea, em sincronia com os sons e, de maneira harmoniosa e presente, encontrar felicidade no movimento.

Dançar tem a ver com se sentir vivo, sentir-se alegre, sentir-se solto.
Na dança, encontramos o pulsar de corpos e corações, encontramos a energia desprendida, o suor que limpa os poros e resfria o organismo, e, para muitos, encontramos a paz…
Por isso, eu lhe pergunto: vamos dançar?

Não precisamos de ritmo, ou de música, ou de conhecimento. Precisamos de coragem para ser de fato quem somos e de ouvido para escutar o universo em toda a sua dimensão. Precisamos de alegria na alma e paz no coração e, se não temos isso, pode ser que iremos encontrar essa alegria durante o dançar.

Basta fechar os olhos e aquietar a mente, focar a atenção nas extremidades do corpo, nos dedos dos pés e das mãos. Se houver uma música para nos conduzir, fantástico; se não tiver, exercitamos o escutar e, nos sons das batidas de nossos corações, iremos encontrar nosso ritmo.

Quando nossos dedinhos estiverem se movimentando, começamos a movimentar pernas e braços, em qualquer direção, em todas as direções; começamos a saltitar, podemos ou não bater palmas, não importa, o que é relevante é o movimentar de braços e pernas.

Ainda com os olhos fechados, movimentamos os quadris de um lado para o outro, para frente e para trás… pode parecer loucura… talvez seja, mas estamos nos movimentando e o simples fato de pensar que é loucura nos faz sorrir, pois estamos conectados conosco…

Passamos então a balançar a cabeça, de um lado para o outro, para frente e para trás… cada um em sua velocidade, cada um em seu ritmo…

O que você acha que os outros irão pensar de você quando te virem dançar dessa forma? O que importa?
Você estará conectado com os sons do mundo, com o ritmo da terra, dos planetas, dos sistemas e das galáxias. E, ao mesmo tempo, estará conectado com o pulsar de seu coração, com seu eu verdadeiro, sorrindo, sem sentir qualquer vergonha sobre quem é e porque está fazendo isso. Guarde essa sensação…

Nos momentos em que a tristeza lhe tomar, a solidão lhe abater, a dor lhe parecer insuportável, dance, dentro de sua capacidade, dentro de sua velocidade, dentro de seu ritmo e da maneira como quiser. Lembre-se da sensação de alegria e desprendimento que a dança lhe ofereceu e reviva esse momento sempre que quiser!
Vamos dançar?

Deixe seu comentário