Além do trânsito cada vez mais congestionado e a falta de vagas em estacionamentos, há outro incômodo nas grandes cidades: proprietários que abandonam veículos sem condições de uso, gerando uma série de problemas para quem mora por perto, além do risco de se transformarem em criadouro do mosquito Aedes aegypti, o transmissor da dengue (Fonte: Agência Senado).

Nesta semana um assunto tomou conta das redes sociais em Nilópolis, quando alguns moradores postaram fotos de veículos abandonados que tomam conta de calçadas e ruas da cidade, com comentários do tipo “alguém tem que fazer alguma coisa”, “ninguém do poder público ainda não enxergou isso” entre outros. Os “podrões”, como são popularmente apelidados, costumam ficar estacionados próximos a oficinas, tomando inclusive conta de calçadas, obrigando pedestres a andar pelo meio da rua para desviar das carcaças, ou em alguns casos, ocupam as laterais das ruas, atrapalhando o trânsito ( Fonte: Nilópolis Online).

Em Vinhedos, São Paulo, diante da gravidade do problema, a prefeitura estipulou uma multa de R$ 8,5 mil para os proprietários que descumprem os prazos ( Fonte: g1.globo.com).

O abandono de veículos em vias públicas é algo que acontece em todo o país, em nossa cidade não é diferente. As justificativas dos proprietários por deixarem os carros abandonados em frente as suas residências são na maioria das vezes por falta de dinheiro para manutenção.

À medida que nossa cidade vai crescendo o fluxo de automóveis aumenta na mesma proporção, como não existe uma renovação de frota constante e uma logística reversa eficiente, muitos carros acabam abandonados. Dá uma tremenda dor de cabeça para os agentes de saúde e os órgãos fiscalizadores lidar com este problema, visto que a burocracia para notificar os proprietários não é tão simples.

Na reportagem de ZH intitulada “Tem carro na sua rua? Veja como resolver o problema” a EPTC explica está dificuldade: pela legislação de trânsito, a fiscalização deve cumprir determinados prazos e seguir protocolos antes de retirar o veículo do local. Após receber a informação, os fiscais vão até o lugar indicado e fazem um termo de constatação de que o veículo está em aparente abandono. Depois de 30 dias, eles retornam ao ponto para confirmar se a situação persiste. Somente após esse trâmite, uma notificação é encaminhada ao proprietário, e um adesivo é fixado no veículo. O dono tem 10 dias para retirar o veículo, a contar do recebimento da notificação informado pelos Correios (Fonte:gauchazh.clicrbs.com.br).

Sabendo do desafio que temos pela frente estou convocando uma reunião com os órgãos competentes para averiguar como está sendo tratado este assunto em nossa cidade. Estão sendo aplicadas as medidas legais para a regulamentação e posterior retirada destes veículos das vias públicas? Os órgãos competentes possuem um mapeamento dos automóveis abandonados na cidade?

Não se trata, apenas do abandono em si, mas as causas prejudiciais ao meio ambiente, falta da livre locomoção dos nossos pedestres, além dos aspectos urbanísticos e visuais negativos que tal ato acaba acarretando. Cada cidadão é responsável pela busca de uma cidade melhor para todos. Espero poder contribuir com o debate levando ao executivo está demanda que tem preocupado nossos munícipes.

Deixe seu comentário