O ano foi pesado. 2019 está chegando ao fim e foi realmente difícil para a maioria das pessoas. O ano de Ogum cumpriu sua promessa, de ser um período em que grandes batalhas seriam travadas e que lutar seria bastante necessário. Todos, em alguma medida, lembram de momentos muito desafiadores que enfrentaram nos últimos meses e até a frase “termina logo 2019” foi exaustivamente repetida. Mas o ano não foi somente de derrotas e coisas ruins. Aposto que não.
Essa semana, enquanto fazia minha última aula de inglês antes do recesso, a Júlia, minha professora, perguntou durante a conversação quais foram os melhores momentos de 2019 pra mim. E preciso dizer: eu, que estava entre as pessoas que espalhavam por aí que havia sido um ano muito ruim e que queria que terminasse logo, consegui elencar imediatamente pelo menos umas cinco coisas ótimas que aconteceram comigo nesse período.
Isso me deixou perplexa. Como a gente se concentra tanto nas coisas ruins e esquece as boas? Qual o intuito disso? É importante sabermos o que de ruim aconteceu para que possamos melhorar para o próximo ano, certamente. Mas, antes de fazermos as resoluções de Ano Novo, é fundamental que façamos um balanço de Natal. Que tal colocar em uma lista as melhores e piores coisas que aconteceram em 2019? Depois de feito isso, é importante analisar, na lista negativa, o que pode ser mudado em 2020 para que as coisas ruins não se repitam. Se forem situações em que não há solução, deixemo-las neste ano que se encerra. Afinal, aquilo que não tem solução, solucionado está!
Para as coisas boas, vale levá-las à mesa da ceia, compartilhar com a família, os amigos ou, quem sabe, compartilhar consigo mesmo (em voz alta) e agradecer por elas. A gratidão certamente fará o universo compreender o quanto essas coisas foram importantes para nós. E mesmo que você não acredite na força do universo, em energias ou milagres de Natal, esse ato será importante pelo simples fato de que lembrará que a vida não é feita somente de maus momentos. Há coisas boas que merecem ter um espaço especial no nosso coração. É importante que nunca deixemos de acreditar que coisas boas também acontecem conosco. Dia a dia. Mês a Mês. E elas precisam, sim, ser valorizadas.
Esse é um dos sentidos do Natal (não gosto de dizer que é o verdadeiro porque cada um sabe da sua verdade). Mais do que comer bem, estar com quem amamos e cumprir uma série de rituais da época, esse é o período em que temos a chance de fazer um balanço do último ciclo da nossa vida e fazer o Cristo renascer em nossos corações. Façamos com alegria, serenidade e ao lado de quem amamos. Dessa forma, deixamos nossa vida preparada para um excelente ano que iniciará.

Deixe seu comentário