Há muitos anos atrás, quando a nossa biblioteca pública ficava cheia de gente, e muitos livros eram emprestados, eu vivia o meu dia por lá. Passei a maior parte da minha pré-adolescência e adolescência envolvido com as seções de psicologia, parapsicologia e ocultismo. Muitos Xerox foram feitos e muito aprendi naquela casa de conhecimento que hoje, infelizmente, não possui mais o mesmo prestígio. Seria a internet? Seria o excesso de informações disponíveis atualmente?

Uma coisa que sempre vou lembrar, aprendi com meu professor de mineração de dados e inteligência artificial, Jacques Schreiber: “Informação não é conhecimento. Informação tratada, validada e organizada é conhecimento”.

O excesso de informação que temos hoje é mais prejudicial do que a falta completa dela. As pessoas se alienam com esse grande volume e são bombardeadas por ele por todos os lados. Isso gera uma confusão imensa e causa um prejuízo cognitivo incalculável. Hoje todos acham que sabem tudo e emitem opiniões a varrer. Outra coisa interessante que aprendi com outro professor: “Opinião é doxa, e doxismo não tem valor real, pois advém somente da percepção do indivíduo sem a devida reflexão e apoio em fatos”. E é verdade. Se opinião fosse validada, seria fato, não opinião. A opinião é particular e só serve para si mesmo. É o famoso “o que você acha só importa para você mesmo”. Enfim, opinião é “achismo”, em uma linguagem mais comum.

A busca pelo real conhecimento e fatos, infelizmente, tem caído drasticamente, pois esse excesso de informação tem dado uma falsa noção de conhecimento para a massa populacional de forma que todos pensam que sabem das coisas. Um grande exemplo dessa ignorância são os negacionistas que duvidam da ciência como se existisse uma cúpula científica decidindo nas sombras como enganar a humanidade. O negacionismo da vacina e a crença da Terra Plana são dois exemplos muito claros da ignorância coletiva causada pela falta de conhecimento. E, mais uma vez, informação não é conhecimento.

Parece que estamos entrando em uma nova idade das trevas. Trevas essa, claro, da ignorância e da crendice popular em coisas que não tem a mínima comprovação além daquele “essa é minha opinião”. Ou então aquela outra frase que eu adoro, que diz “o fato de você estar certo não quer dizer que eu estou errado”. Essa também é ótima. E ainda tem aquela “temos que respeitar a opinião de todos”.
O respeito é algo essencial, mas é necessário fazer uma separação clara do que é opinião particular, que só afeta a pessoa que tem aquela opinião, e a opinião que quer ser vendida como conhecimento. Essa última deve ser combatida com todas as armas disponíveis do verdadeiro conhecimento, que parte de bases sólidas e fatos.

Disseminar informações sem referência, como se fossem verdades, deveria ser punível severamente, pois a ignorância é um vírus que se alastra rapidamente e, em longo prazo, ameaça em muito a própria humanidade.

Sempre busque aprender o conhecimento verdadeiro, e quando for compartilhar uma informação, verifique se é verdade. Ajude a humanidade a evoluir. Seja mais humano.

Deixe seu comentário