A.G. Olyver
Escritor

…hipoteticamente, claro. O que você faria? Não importa, porque ter mil, dez mil ou um milhão de Reais não faz nenhuma diferença, se você não tem a mentalidade correta para usá-lo. A grande maioria das pessoas não vê a hora de pegar um dinheiro para “quitar algumas dívidas”, ou “comprar uma casinha”. Tudo bem, não é ruim ter uma casa ou quitar as dívidas, mas a diferença está em ter a visão de que esse dinheiro, seja ele mil, dez mil ou um milhão de Reais, só serve para quitar dívidas e comprar uma casinha. Ou seja, para ser gasto!
Gastar é o verbo que deveria passar por último na mente de quem quer progredir financeiramente. E não quero dizer “deixar de comprar as coisas que gosta, ou sair para os lugares que quer visitar”. O que quero dizer é que o dinheiro é uma ferramenta que consegue trabalhar sozinha, se bem usado. Não é somente algo que você tem e gasta.
É essencial saber que o importante não é o quanto você ganha. Não é isso que separa rico do pobre; mas o quanto você POUPA, INVESTE e GASTA. A verdade absoluta é essa: a riqueza é determinada por quanto de dinheiro entra e o quanto desse dinheiro é desperdiçado. Esse dinheiro que entra deve ser poupado e investido.
Uma ótima ferramenta para usar antes de gastar é fazer-se quatro perguntas nessa sequência:
Quero? Preciso? Posso? Devo?
Quero aquele item? Sinto desejo de possuí-lo?
Preciso daquele item? Ele é importante e essencial para o meu momento?
Posso comprar aquele item? Tenho condições de comprá-lo sem precisar recorrer a cheque especial, cartões, empréstimos ou pegar dinheiro que estou guardando para investir?
Devo comprar aquele item?
Essa última é uma questão filosófica e, se você respondeu a todas as anteriores de forma honesta, ao responder a essa última, terá sua decisão. Não questione ou repense essa decisão. Aceite-a na hora.

Deixe seu comentário