Essa semana, eu tive uma longa conversa com um sábio. Digo isso porque sonhei com um velho Taoista em meio a uma altíssima floresta de bambu, no topo de uma montanha. Nossa mente tem dessas coisas. A parte consciente é a que menos aproveita o conteúdo absorvido ao longo da vida e, normalmente, somente através dos sonhos, quando essa barreira entre consciente e inconsciente fica tênue, é que podemos acessar essa experiência toda. É claro que nem tudo é pura experiência que fora vivida ao longo do tempo; nossa mente tem tantas facetas que ainda desconhecemos que seria leviano de minha parte dizer o que é e o que não é fruto da mente.

Mas, aqui, o importante é um dos insights que a conversa me proporcionou. Recordei-me de minha primeira lembrança sobre conhecimentos ocultos, quando eu, com meus cinco anos, observava, sentado ao lado da poltrona de meu pai, ele e um amigo praticando uma espécie de concentração, onde focavam sua atenção no centro das mãos, como se lá houvesse uma esfera de energia. Ah, as lembranças! Feitas de química, claro, nem sempre são exatas, pois tenho vívida a imagem de que eles conseguiam produzir uma energia no centro das mãos e passar de um para o outro, realmente como uma pequena bola; e é claro que isso é uma adição posterior ao fato, pois cada vez que acessamos uma lembrança, a química se altera e, com ela, a composição dessa memória. Isso significa que nossas lembranças nunca são iguais e podem ir se alterando ao longo da vida. Memórias não são perpétuas.

Se podemos alterar uma memória dessa forma, é justo que possamos alterar ativamente uma lembrança, re-significando um passado inteiro, para ter um presente mais harmonioso e, consequentemente, um futuro muito mais promissor. A grande sacada para mudar o presente e projetar um futuro melhor é dar um novo significado ao passado e isso dá para fazer através de uma técnica muito interessante.

Busque a memória que quer alterar. Veja-a nitidamente e muito colorida, como se estivesse em um telão. Ao lado, bem pequenininha, sem força e sem cor, imagine essa memória da forma que você acredita que hoje seria mais interessante. Observe ambas por uns instantes. Então, dê um grito forte e seco, de uma só vez, enquanto faz com que a imagem pequena cresça e se torne colorida e forte, enquanto a imagem grande, da memória original, encolha, perca a força e a cor. Repita isso algumas vezes por dia. O resultado é maravilhoso.

Re-significar o passado é um passo muito importante para reescrever o presente e controlar o futuro. O ser humano, como ser senciente, foi agraciado com esse tipo de habilidade sem precedentes. Use-a. Tome as rédeas de sua vida e tenha a vida que sempre quis.

Deixe seu comentário