Existem algumas trilhas sonoras que nos transportam instantaneamente a um lugar no tempo, a um momento onde nós, de alguma forma, associamos aquele instante a um som, uma música específica. Sei que tenho várias. E não somente o som, mas o cheiro também nos trás associações incríveis. Eu, por exemplo, sinto o cheiro, por incrível que pareça, da música Wuthering Heights, na versão do Angra; sinto também o cheiro do jogo The Legend of Zelda: a Link to the Past para Super Nintendo e sinto o cheiro de Sonic 2, para MegaDrive. Pode ser que tenha a ver com a sinistra sinestesia, mas talvez seja, realmente, apenas associações de memórias com os sentidos; como uma âncora ou um gatilho.

O importante aqui é entendermos que temos gatilhos que nos levam a sentimentos únicos, a momentos especiais, ou mesmo terríveis. Esses gatilhos são ferramentas poderosas para quando queremos nos tirar ou por de volta naquele estado no qual estávamos um dia, quando ouvimos ou cheiramos algo que marcou essa associação. Algo que ficou na memória.
Cheiros, sons e suas associações são incríveis não somente pelos objetos, mas pelas pessoas ligadas a esses momentos. Quando sinto um cheiro específico, no qual sou levado a uma memória onde eu jogava Sonic 2 no meu velho MegaDrive, no mesmo instante, sinto saudade de mais momentos assim com meu irmão mais novo, o qual está de aniversário essa semana, por acaso. Feliz Aniversário, Jô.

Ao sabermos usar esses gatilhos como ferramentas, acabamos por desenvolver um controle muito mais poderoso sobre nós mesmos, sobre nossas emoções. Isso é inteligência emocional. Todos nós deveríamos nos dedicar a ler e aprender sobre esse assunto algumas horas na semana. Acredite: o impacto disso na sua vida será impressionante.
Você certamente possui “aquela música”, aquela que lhe traz uma energia poderosa para enfrentar qualquer coisa; como também deve ter aquela música que lhe coloca em um estado mais triste, típica de fim de relacionamento. Já pensou em se armar dessas músicas para alterar um estado emocional? Por exemplo, quando estiver triste, por que não ouvir aquela música de poder? Inteligência emocional não é apenas um nome, é realmente usar a inteligência para, através de ferramentas, controlar suas emoções. Isso é ser dono de si.

Conhecer a si mesmo nesse nível é o que divide a criança do adulto, ou pelo menos assim deveria ser. O controle da razão sobre a emoção; não para deixar sentir, mas para não permitir que sentimentos descontrolados tomem decisões perigosas. Fosse assim, quantos crimes não teriam sido evitados? Quantas brigas desnecessárias? Quantos rancores teriam deixado de existir? Poder dominar as emoções é um presente, não só para si, mas para todos ao seu redor.
Por isso dedique-se a ser dono de si mesmo; pois acredite, você não é. Você, provavelmente, é como um capacho que é jogado para lá e para cá por suas emoções descontroladas, egoístas e paranóicas. E, tudo bem, faz parte do caminho. É por isso que estamos aqui: para evoluir. Para aprender. É disso que se trata a vida. Reflita, cresça e seja mais humano.

Deixe seu comentário