foto: reprodução internet

Por tratar-se de uma doença ainda relativamente desconhecida, o câncer de boca permanece gerando dúvidas. Pensando nisso, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Cabeça e Pescoço divulgou uma lista de questionamentos e seus esclarecimentos. Confira as principais questões:

Quais são os principais fatores de risco?
Sem dúvida alguma, os maiores fatores de risco são o tabagismo e o etilismo, especialmente se associados. Aproximadamente 95% a 97% dos casos do câncer de boca estão relacionados a eles. Outros fatores de risco comprovados são: fatores genéticos e exposição ao sol no caso do câncer de lábio.

Como se manifesta o câncer de boca?
Através de uma ferida na boca, esbranquiçada ou avermelhada, não-cicatrizável, dolorosa e persistente. O paciente também pode referir dificuldade para engolir, falar, ou aumento de linfonodos cervicais.

Como é possível prevenir?
A melhor prevenção é manter-se afastado dos fatores de risco ou, em outras palavras, não fumar e não beber. Além disso, é importante manter sempre uma boa higiene bucal, e procurar atendimento médico sempre que houver alguma lesão persistente na boca.

Como é feito o diagnóstico?
Através da suspeita clínica, baseada no aspecto da lesão, sintomas e fatores de risco. Porém, o diagnóstico definitivo só pode ser confirmado através de uma biópsia.

Uma pessoa que nunca fumou ou bebeu pode ter câncer de boca?
Sim. Embora aproximadamente 97% dos casos está relacionada ao tabagismo, uma pequena parcela dos portadores desta doença não fumam. Nesses casos existem alterações genéticas, ainda em estudo, relacionadas ao aparecimento do câncer.

Quais são as sequelas que podem ter os pacientes submetidos a cirurgia para ressecção de câncer de boca?
Tudo depende da extensão da cirurgia, que, por sua vez, depende da extensão do tumor. Em casos mais simples, como por exemplo em ressecções de pequenos tumores de língua, praticamente não há qualquer tipo de sequela. Já nos casos avançados, sim. Basicamente, as sequelas do tratamento cirúrgico compreendem a fala, a deglutição e a respiração, em diferentes graus de acometimento a depender dos procedimentos específicos.

Quais são as opções de tratamento?
Trata-se, basicamente, de uma doença de tratamento cirúrgico, uma vez que a cirurgia oferece as melhores chances de cura. Existem também tratamentos baseados em quimioterapia e radioterapia, podendo ser combinados uns com os outros.

As sequelas são tratáveis?
Sim. É necessário que se faça, em conjunto, acompanhamento multidisciplinar com odontologista, fonoaudiólogo, fisioterapeuta e psicólogo.

É um tipo comum de câncer?
Sim, é o oitavo câncer mais comum entre os homens, e o nono entre as mulheres, segundo dados do Inca. Faz-se necessário esclarecer que, para a denominação câncer de boca, inclui-se o lábio e a cavidade oral (mucosa bucal, gengivas, palatos duro e mole, língua oral e assoalho da boca).

É possível curar o câncer de boca?
Sim, e a chance de cura é maior quanto mais precoce for o tumor.

Deixe seu comentário