FOTO: REPRODUÇÃO INTERNET

O frio mal começou e a população já sente as consequências das baixas temperaturas. Tanto no Outono quanto no Inverno, as pessoas se concentram mais em locais fechados, o que facilita a propagação de vírus e bactérias que causam inúmeras doenças, como gripe, resfriado, amidalite, asma, otite, bronquite, pneumonia, sinusite e alergias.

A pneumologista Dayse Carneiro, explica que, com as baixas temperaturas, é comum a população sofrer com as oscilações climáticas, uma vez que o tempo seco e a baixa umidade relativa do ar são fatores que contribuem para o aumento das doenças respiratórias devido à alta concentração de poluentes na atmosfera. “O ar frio atua como irritante das vias aéreas, o que acarreta mais sintomas alérgicos, como obstrução nasal, coriza, espirros frequentes e até falta de ar”, salienta a especialista.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a rinite alérgica pode ser considerada a doença de maior prevalência entre as doenças respiratórias crônicas e problema global de saúde pública, acometendo cerca de 20 a 25% da população em geral. Embora tenha sintomas de menor gravidade, ela está entre as dez razões mais frequentes de atendimento primário à saúde. Ainda, conforme o estudo International Study of Asthma and Allergy in Childhood (ISSAC) realizado no Brasil, a predominância média de sintomas relacionados à rinite alérgica é de 29,6% entre adolescentes e 25,7% entre escolares, estando o país no grupo das nações com as maiores taxas mundiais de prevalência, tanto em asma como em rinite.

Quanto se trata de doenças do frio, a psicopedagoga Paola de Souza Rodrigues Drew redobra a atenção dentro de casa. Com três crianças pequenas, Luiza, 9, Enzo, 5, e Laura de 5 meses, ela conta as dores de cabeças são as mesmas. “Eles [as crianças] sempre apresentaram problemas com a rinite”, disse Paola. “Depois que fizemos o curso de Reiki, mudamos nossa rotina na alimentação e passamos a utilizar óleos essenciais, tivemos uma melhora bem significante”, acrescenta.

Apesar dos números expressivos no que diz respeito aos casos de doenças do frio, alguns cuidados básicos podem contribuir para evitar a incidência desse problema.

Para evitar problemas com a renite durante os períodos frios, Paola de
Souza Rodrigues Drew redobra os cuidados com os filhos Enzo, Luiza e Laura. Foto: arquivo pessoal

Cuidados básicos
– Lavar as mãos;
– Manter o organismo hidratado;
-Manter o ambiente arejado. As bactérias e vírus concentram-se em locais fechados e com aglomerados de pessoas, por isso, é importante evitar estes locais;
-Evitar o contato com pessoas gripadas ou com resfriados, pois as doenças respiratórias são transmitidas pelo ar;
-Lençóis, edredons e roupas devem ser expostos ao sol e lavados sempre que necessárias;
-Evitar fumar e se expor em ambientes com fumaça;
-Manter as extremidades quentes (mãos, pés e cabeça) usando toca, luvas e roupas adequadas para a época.

Vacina contra gripe é um dos cuidados
Além desses cuidados, a pneumologista destaca a vacina da gripe, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, como fundamental no processo de prevenção. “O vírus da gripe sofre mutações constantes e sempre há um subtipo que circula mais em um determinado ano. Por causa disso, a vacinação anual é imprescindível”, salienta Dayse Carneiro.

Desde o dia 22 de abril, a vacinação contra Influenza ocorre com a mobilização de todos os grupos prioritários e segue até o dia 31 de maio no País.

Grupos prioritários na vacinação

– Trabalhadores da saúde;
– Povos indígenas;
– Puérperas;
-Idosos;
– Professores de escola públicas e privadas;
– Pessoas com doenças crônicas ou imunidade baixa;
-Funcionários do sistema prisional;
– Jovens sob medidas socioeducativas;
– Pessoas privadas de liberdade.

A pele também merece cuidados especiais nos dias frios
Durante o Outono e Inverno, a umidade do ar baixa e as temperaturas mais frias levam à diminuição na transpiração corporal. Esses fatores contribuem com para o ressecamento da pele. Além disso, nesta época são comuns banhos mais quentes, o que provoca uma remoção da oleosidade natural de forma mais intensa, diminuindo o manto lipídico que retém a umidade da pele.

FOTO: REPRODUÇÃO INTERNET

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), tanto a pele do rosto quanto a do corpo estão sujeitas ao ressecamento causado pelas temperaturas baixas. O clima frio e seco pode deixá-las com aspecto esbranquiçado, o que indica a desnaturação das proteínas. Para evitar o problema é importante fazer hidratações corporais mais profundas e investir em uma alimentação saudável, rica em vitaminas e antioxidantes, o que pode trazer benefícios em longo prazo.

O ideal é comer legumes, hortaliças e frutas, alimentos que são fontes de vitaminas e minerais que neutralizam os radicais livres, prevenindo o envelhecimento da pele. As frutas ricas em vitamina C, como o morango, a laranja, a mexerica, o limão e a cereja, entre outras; e vegetais, como o brócolis, o repolho e a cenoura, são exemplos de alimentos para esta estação. Adicione também castanhas, nozes e amêndoas, que são ricas em vitamina E, selênio e antioxidantes, importantes aliados para manter a pele saudável e bonita.

Dicas para manter a pele hidratada
-Beber no mínimo dois litros de água por dia;
-Evitar banhos quentes e muito demorados; evitar se ensaboar demais e usar buchas, que também contribuem para alterar a composição do manto hidrolipídico (hidratante natural produzido pelo organismo) que protege a pele;
-Usar o hidratante logo após sair do box – ainda no banheiro – com aquele vaporzinho pós-banho, que ajuda na penetração do creme;
-Para peles oleosas, e acneicas, evitar hidratante comum no rosto, usar oil free nas áreas de maior oleosidade (rosto e tórax);
-Os lábios também costumam ressecar muito no inverno. É importante usar hidratantes específicos para essa região e, assim, evitar rachaduras;
-Usar filtro solar diariamente.

Deixe seu comentário