pão, tabela nutricional, pão branco, pão integral, glúten, carboidrato
Muitos dos pães ditos integrais contam na verdade com grande quantidade de farinha branca na composição. Fotos: banco de imagens

Ler rótulos de alimentos pode causar certa surpresa. Em alguns casos indignação. É que muitas vezes a foto da embalagem não corresponde em nada com os ingredientes utilizados pelo fabricante. Exemplo disso são os pães integrais. Se você tem um desses em casa agora, pegue o rótulo e leia a lista de ingredientes. Se o primeiro item for “farinha de trigo enriquecida com ferro” saiba que você foi enganado e consome pão branco.

Cauana Neis, nutricionista. Foto arquivo pessoal

A nutricionista Cauana Neis explica que trata-se de uma brecha na legislação, aproveitada pelos fabricantes. No Brasil não há uma legislação que defina precisamente o que é o alimento integral, então a Anvisa permite que os fabricantes o definam assim se ele tiver esse tipo de farinha na composição, independentemente da quantidade. Porém, a lista de ingredientes deve respeitar ordem decrescente segundo a quantidade na composição. “A farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico é a conhecida farinha branca refinada. Por isso, antes de comprar, é necessário olhar a lista de ingredientes. O pão será integral se o primeiro ingrediente for a farinha de trigo integral”, explica Cauana.

Os alimentos integrais não passam por processos de refinamento industrial que retiram seus nutrientes. Trocar o pão branco, arroz, massas e biscoitos pelas versões integrais é uma das ações por uma alimentação mais saudável. Isso torna a alimentação mais rica em fibras, vitaminas e minerais, beneficiando o funcionamento intestinal, oferecendo maior saciedade e prevenindo doenças.

Ler as embalagens, porém, também pode assustar. Às vezes, a versão integral é mais calórica. Mas calma, os alimentos integrais auxiliam na perda de peso. “Eles proporcionam um tempo maior de digestão, causando uma maior sensação de saciedade. Com isso, o indivíduo acaba comendo menos. É importante lembrar que o emagrecimento não depende apenas do consumo de calorias, mas também de uma boa qualidade alimentar, com alimentos ricos nutricionalmente”, enfatiza a nutricionista.

Assim como todo alimento, há um limite de consumo indicado. Os cereais integrais, além de muito nutritivos, são fonte de carboidrato. Se consumidos em excesso, levarão ao ganho de peso. “A Organização Mundial da Saúde recomenda uma ingestão de em torno 25g de fibras diárias e como os alimentos integrais são ricos do nutriente, incluindo-os na nossa rotina alimentar, atingimos a necessidade”, diz Cauana. Vale lembrar que os benefícios desse consumo de fibras dependem também de uma ingestão adequada de água.

barra de cereal, leia o rótulo, celíacos, glúten, carboidrato
Algumas barrinhas de cereal são exemplo do que parece saudável, mas não é. Crédito: banco de imagens

Low carb, a dieta da moda
A dieta low carb consiste em uma redução significativa dos carboidratos da alimentação. Ela é uma das várias estratégias nutricionais que podem ser aplicadas pelo nutricionista com o objetivo de emagrecimento, explica Cauana. Ela destaca, porém, que assim como qualquer outra dieta, a low carb não é para todos, visto que cada pessoa apresenta sua individualidade. “Não existe dieta melhor para todos, e sim a dieta ideal para cada um. Uma dieta low carb mal feita, sem acompanhamento nutricional pode trazer sérias consequências à saúde, além da estagnação do peso e efeito rebote”, destaca a nutricionista. A dieta ideal é a da adesão sem sofrimento, que leva a resultados duradouros.

Macarrão ou arroz?
Os dois podem fazer parte de uma alimentação saudável, sem excessos. E existe o “macarrão de arroz” que tem sido bastante procurado. Cauana Neis explica que o macarrão de arroz apresenta uma vantagem, que é ser sem glúten, então para os celíacos é uma excelente opção. Além disso, ele tem a textura muito parecida com a do macarrão tradicional. Porém, ele não precisa substituir o consumo de uma massa integral, ambos podem integrar um plano alimentar saudável.

macarrão integral, macarrão de arroz, celíacos, glúten, carboidrato
O macarrão de arroz é uma alternativa com a vantagem de ser sem glúten, porém, o macarrão tradicional integral também é uma ótima opção
Crédito: banco de imagens

Deixe seu comentário